Meteorologia

Itália regista a temperatura mais elevada de sempre na Europa

Itália regista a temperatura mais elevada de sempre na Europa

A cidade de Siracusa na ilha italiana da Sicília atingiu 48,8º C, podendo ser a temperatura mais elevada de sempre registada na Europa. A onda de calor "Lúcifer" que o país atravessa está na origem das temperaturas elevadas.

A temperatura registada na histórica cidade italiana será a mais quente de sempre, segundo apontam as autoridades regionais, porém a mesma precisa de ser verificada pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), que para já mantém o recorde oficial da temperatura mais elevada da Europa os 48º C registados em 1977 em Atenas, na Grécia.

Trevor Mitchell, um meteorologista do Instituto de Meteorologia do Reino Unido, apontou que a "Sicília tem passado por uma onda de calor nos últimos dias, devido ao efeito foehn, que provoca uma mudança de condições húmidas e frias de um lado de uma montanha para condições mais quentes e secas do outro lado, portanto no sota-vento das montanhas a oeste de Siracusa provavelmente ajudou a atingir os 48,8º C".

As elevadas temperaturas que o país enfrenta causadas por uma onda de calor, apelidada de "Lúcifer", que vem do norte de África, levou à propagação de incêndios nas áreas florestais no sul de Itália, como Sicília, Calábria e Puglia. Estas áreas têm mais de 300 operacionais envolvidos no combate às chamas, que já queimou milhares de hectares de terra, levando o governo a declarar estado de emergência para a região da Sicília.

Prevê-se que a onda de calor prossiga para o norte de Itália, atingindo cidades como Roma, Florença ou Palermo, com temperaturas ainda mais elevadas. O ministério da Saúde do país já emitiu alertas vermelhos, devido ao calor extremo que é registado em várias regiões, apontando que o risco para a saúde deve aumentar de oito para 15 até ao final da semana.

A Grécia e a Turquia também tem sofrido com esta onda de calor, que tem provocado incêndios florestais de grande amplitude, causados por ventos fortes e uma vegetação muito seca. Na Grécia, foram registados 586 incêndios ativos ao longo dos últimos 14 dias, tendo já sido queimados mais de 93600 hectares de zona florestal. "Uma catástrofe natural de uma excecional amplitude", afirmou o primeiro-Ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis.

Na Turquia, os incêndios florestais foram considerados os piores em décadas e já provocaram a morte a oito pessoas, tendo sido necessário evacuar várias zonas perto da cidade de Milas, na província de Mugla, levando pelo menos 36 mil pessoas para um local seguro.

PUB

Segundo as autoridades, as alterações climáticas estão a aumentar as temperaturas e "mesmo que se limite o aquecimento a +1,5ºC, as ondas de calor e outros eventos extremos vão aumentar de forma "sem precedentes" em magnitude, frequência, localização ou época do ano em que ocorrem", o que significa que haverá consequências nefastas para o ser humano e para o ambiente se os governos não começarem a reduzir drasticamente as emissões de gases poluentes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG