Pandemia

Itália regista mais 731 mortes por covid-19, o pior número desde abril

Itália regista mais 731 mortes por covid-19, o pior número desde abril

A Itália registou 731 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, o pior número registado desde o início de abril, e ainda 32.191 novas infeções, anunciou esta terça-feira o Ministério da Saúde.

O número de óbitos representa um forte aumento em relação aos 550 que foram confirmados diariamente nos últimos tempos e eleva o total de vítimas mortais para 46 464.

Os novos contágios são muito superiores aos 27 mil de segunda-feira - embora os números de segunda-feira sejam geralmente mais baixos devido ao menor número de exames realizados ao domingo -, e elevam o total para 1 238 072 pessoas que já foram infetadas no país desde o início da pandemia no país, em meados de fevereiro.

No último dia foram realizados mais de 208 mil exames e o índice de positividade é de 15,47%, inferior aos quase 18% de segunda-feira.

Atualmente, existem 733 810 pessoas infetadas com covid-19 em Itália e, embora a grande maioria esteja isolada em casa com poucos sintomas ou sem eles, a pressão nos hospitais continua a aumentar.

Um total de 33 074 pessoas estão hospitalizadas (mais 658 do que segunda-feira) e 3 612 estão internadas em Unidades de Cuidados Intensivos (mais 120).

PUB

As regiões com maior número de novos casos continuam a ser a Lombardia, com 8 448 casos nas últimas 24 horas, Véneto (3 124), Campânia (3 019) e Piemonte (2 606).

O presidente do Instituto Superior de Saúde, Silvio Brusaferro, expressou o seu desejo de que as últimas restrições adotadas no país surtam efeito nos próximos dias e apelou à responsabilidade civil para salvar as festas de Natal.

Por sua vez, o chefe de Estado, Sergio Mattarella, pediu esta terça-feira às restantes instituições italianas colaboração para que persista a defesa da "liberdade, justiça e coesão social" nos novos tempos impostos pela pandemia.

Para conter o vírus, o Governo decretou recolher obrigatório nacional entre as 22 horas e as 5 horas locais, restringiu os horários da restauração e encerrou cinemas, teatros, ginásios ou piscinas -- em princípio até 3 de dezembro.

Além disso, impôs também um sistema de três níveis de restrições a nível regional -- vermelho, laranja e amarelo -- para impor limitações mais severas nos territórios mais afetados e evitar o encerramento total do país, que penalizaria os menos afetados.

As regiões "vermelhas" estão praticamente em confinamento, menos severo do que o imposto na primavera. Existem atualmente sete regiões nesse nível: Lombardia, Piemonte, Vale de Aosta, Toscana, Trentino-Alto Adige, Campânia e Calábria (esta última devido ao precário sistema hospitalar).

Além disso, a região de Abruzzo juntou-se voluntariamente à classificação de "zona vermelha" e entra na quarta-feira em confinamento "soft".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG