Covid-19

Itália supera as sete milhões de vacinas administradas em dia com mais de 23 mil casos

Itália supera as sete milhões de vacinas administradas em dia com mais de 23 mil casos

A Itália contabilizou 23 059 casos de covid-19 e 431 mortes a ela associadas nas últimas 24 horas, tendo superado as sete milhões de doses de vacina administradas, indicaram esta quarta-feira as autoridades sanitárias italianas.

O total de novos casos constitui um aumento de 2663 infeções relativamente ao dia anterior, apesar de o número de testes de despistagem ter sido ligeiramente inferior -- 369 084 análises nas últimas 24 horas face às 369 375 do dia anterior.

O total de mortes nas últimas 24 horas foi, porém, inferior aos 502 registados terça-feira, quando se registou o pior número desde janeiro.

Apesar disso, o número de óbitos continua a manter-se alto em comparação com as semanas anteriores, em que o total de mortes diárias se situou entre os 200 e os 380.

Desde que a pandemia foi declarada em Itália, em fevereiro de 2020, as autoridades contabilizaram um acumulado de 3 281 819 casos de infeção e de 103 432 mortes.

A pressão hospitalar continua a aumentar e, dos atuais 539 008 casos ativos com o novo coronavírus, 29 834 estão hospitalizados, mais 480 do que no dia anterior.

Desse total, 3317 pessoas estão internadas em unidades de cuidados intensivos (mais 61).

PUB

A campanha de vacinação, por outro lado, superou esta quarta-feira as sete milhões de doses administradas -- 7 101 882 foram vacinadas com a primeira e 2 180 085 com a segunda.

Itália irá retomar a campanha com a vacina da AstraZeneca se, quinta-feira, a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) mantiver a recomendação positiva em relação ao fármaco.

As autoridades sanitárias italianas suspenderam segunda-feira a utilização da vacina da AstraZeneca como "medida temporária e cautelar" face aos recentes casos de tromboses na Europa, estando a aguardar a conclusão da investigação adicional que a EMA está a fazer, explicou o Governo de Mario Draghi.

Na semana passada, Itália decretou um endurecimento das restrições para conter os contágios, que vigorará até 6 de abril.

Todas as regiões que superem a incidência semanal de 250 contágios por cada 100 mil habitantes passarão a integrar o estatuto da "zona vermelha", com um confinamento brando em que todas as lojas não essenciais estarão encerradas.

Desde segunda-feira, dez regiões da província autónoma de Trento estão no "vermelho", afetando mais de 40 milhões de italianos, enquanto o resto do país se encontra numa zona de risco intermédio, com exceção da ilha da Sardenha, que quase que não tem limitações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG