Brasil

Jair Bolsonaro critica governador que assumiu ser homossexual

Jair Bolsonaro critica governador que assumiu ser homossexual

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou que o governador de Rio Grande do Sul, que se assumiu como homossexual numa entrevista exibida na madrugada de hoje, pretendeu promover sua candidatura às eleições presidenciais de 2022.

Eduardo Leite, governador do estado brasileiro de Rio Grande do Sul e pré-candidato à presidência pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), decidiu falar sobre a sua sexualidade no programa Conversa com Bial, 'talk show' exibido pela Rede Globo, maior emissora de televisão do país.

A notícia agitou a esfera política brasileira porque Leite deve concorrer nas primárias internas do PSDB para as eleições presidenciais de 2022 e se apresenta como opção de centro na eleição já polarizada entre Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Aquele cara [Eduardo Leite] está acreditando que é o máximo... Bateu no peito, [e disse:] 'eu assumi'. É o cartão de visita de sua candidatura", afirmou Bolsonaro, em conversa com apoiantes no Palácio da Alvorada, onde reside, referindo-se ao primeiro pré-candidato presidencial que assume ser homossexual na história do Brasil.

"Ninguém tem nada contra a vida privada de ninguém. Agora, querendo impor seus costumes, seus comportamentos aos outros, não", acrescentou Jair Bolsonaro, que no passado foi criticado por comentários homofóbicos e misóginos.

Leite é um importante dirigente regional do PSDB e tem uma importante força eleitoral em vários estados populosos do Brasil, como São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e o próprio Rio Grande do Sul.

A candidatura do PSDB é objeto de acirradas disputas internas que serão resolvidas nas primárias convocadas pelo partido em novembro e que serão disputadas por até quatro candidatos, entre os quais Leite.

PUB

Embora o principal candidato do PSDB seja João Doria, governador de São Paulo - o estado mais rico e populoso do Brasil, com cerca de 46 milhões de habitantes -, o líder 'paulista' não tem apoio unânime no partido.

Bolsonaro, cuja popularidade esta no pior nível, aspira à reeleição, mas Lula da Silva, que seria seu principal rival, lidera as sondagens eleitorais com 49% das intenções de voto, mais do que o dobro do atual Presidente que tem apenas 23% de intenções de voto.

O Presidente brasileiro e partidos de centro que o apoiam, porém, apostam no avanço da vacinação contra a covid-19 e numa recuperação da economia brasileira em 2022 para recuperar popularidade e obter a reeleição.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG