Reino Unido

Jeremy Corbyn afirma que permanecerá "neutro" num novo referendo do Brexit

Jeremy Corbyn afirma que permanecerá "neutro" num novo referendo do Brexit

O líder do Partido Trabalhista no Reino Unido, Jeremy Corbyn, afirmou esta sexta-feira que permanecerá "neutro" no caso de um novo referendo sobre o 'Brexit', que pretende convocar se ganhar as eleições do próximo mês.

"Adotarei uma posição neutra como primeiro-ministro para que possa implementar com credibilidade o resultado alcançado e unir o nosso país, em vez de procurar um debate interminável sobre a União Europeia e o 'Brexit'", disse o líder do principal partido da oposição num debate na estação BBC.

Caso seja eleito, Jeremy Corbyn quer renegociar um acordo de saída com a União Europeia (UE) no prazo de três meses após a posse e submeter, dentro de seis meses, esse acordo à votação dos britânicos, que também teriam a opção de cancelar o 'Brexit' e permanecer na União Europeia.

"O meu papel e o papel do nosso governo será garantir que este referendo seja realizado numa boa atmosfera e que cumpriremos com o resultado", disse o líder da oposição, referindo-se às profundas divisões causadas pelo referendo de 2016, no qual 52% dos britânicos votaram pela saída da UE.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, do Partido Conservador que lidera as sondagens, também foi entrevistado no programa, assim como Jo Swinson, líder do Partido Democrata Liberal pró-UE e a líder do movimento de independência escocês, Nicola Sturgeon.

Boris Johnson quer obter a maioria no parlamento nas eleições de 12 de dezembro, permitindo-lhe assim ratificar o acordo de saída da UE e prometeu retirar o Reino Unido da UE até o final de janeiro.

O chefe do Governo defendeu ainda a recusa do executivo em publicar um relatório sobre uma possível interferência russa nas eleições do Reino Unido, indicando que não houve evidências de qualquer interferência.

Jo Swinson prometeu que o seu partido cancelará o 'Brexit' se formar Governo, enquanto Nicola Sturgeon defendeu o seu apoio a um referendo sobre a independência da Escócia, apenas cinco anos depois de uma votação sobre o assunto.