Coronavírus

Portugueses na China podem voltar mas há "risco acrescido", alerta embaixada

Portugueses na China podem voltar mas há "risco acrescido", alerta embaixada

Os cidadãos portugueses que estão na província de Hubei, na China, onde se encontra a cidade de Wuhan, epicentro do novo coronavírus que já matou 132 pessoas e que está em quarentena, podem voltar ao seu país mas há um "risco acrescido", alertou esta quarta-feira a Embaixada de Portugal em Pequim.

Em resposta às dúvidas de alguns portugueses que pediram a confirmação do comunicado da Comissão Europeia sobre a retirada de cidadãos europeus de Hubei sob o mecanismo de proteção civil, a embaixada confirmou e recordou que "todos os cidadãos" fazem já parte da lista dos que "solicitaram ser repatriados".

Na carta enviada aos portugueses em Hubei, esta quarta-feira, a embaixada refere ainda que estabelece "vários planos alternativos" para corresponder ao desejo de saída daquela província chinesa e que irá aplicar aquele "que se revelar mais rápido e eficaz na resolução do problema". "Estamos a trabalhar de forma intensa com as autoridades chinesas, portuguesas e restantes países europeus nesse sentido", pode ler-se no comunicado.

Por fim, a embaixada relembra os apelos das autoridades chinesas e OMS para não "criar alarmismo nas pessoas" e que recomendam que estas repensem sair da China. "As operações de evacuação são em si mesmas uma hipótese de risco acrescido para os próprios evacuados já que entrarão em contacto com muitas pessoas, algumas anteriormente expostas ao coronavírus", alerta.

"A nossa função é informar-vos e apoiar-vos na vossa decisão, de sair ou de ficar. A opção é naturalmente livre e individual", salienta a embaixada.

15 portugueses regressam a partir de sexta-feira

Quinze dos 20 portugueses residentes em Wuhan regressam a Portugal a partir de sexta-feira, no segundo voo disponibilizado pelo Mecanismo Europeu de Proteção Civil, avança o jornal "Público".

Os outros cinco residentes portugueses não pretendem regressar, por enquanto, a Portugal.

Outras Notícias