Covid-19

Jordânia suspende aulas e encerra mesquitas após novo pico de contágios

Jordânia suspende aulas e encerra mesquitas após novo pico de contágios

A Jordânia anunciou a suspensão das aulas e o encerramento de mesquitas e locais de lazer durante duas semanas, depois de atingir, no domingo, um pico de contágios de covid-19, com 252 novos casos e dois mortos.

O anúncio foi feito numa declaração televisiva do ministro da Educação do país, Taysir al Naimi, que comunicou a suspensão das aulas em escolas públicas e privadas, a partir de quinta-feira, devido ao aumento do número de contágios, que registam o valor mais elevado desde março.

A decisão acontece apenas duas semanas após mais de dois milhões de crianças e jovens voltarem às escolas, depois de uma prolongada interrupção de mais de cinco meses devido à pandemia.

Da medida ficam excluídos os estudantes dos primeiros três anos do ensino primário, para os quais será opcional a participação nas aulas de forma presencial ou à distância, de acordo com o ministro, sendo que o número de alunos por sala de aula não poderá ser superior a 20.

Por sua vez, o titular da pasta dos Assuntos Islâmicos da Jordânia, Mohamed Jalailah, anunciou o encerramento das mesquitas do país durante o mesmo período.

O ministro da Informação, Amjad Adalieh, disse numa conferência de imprensa que "o executivo decidiu adotar estas medidas preventivas para evitar o encerramento (completo) do país" e acusou a população de ser "apática e temerária" por não cumprir os protocolos sanitários.

PUB

Esta segunda-feira, registaram-se 214 novos contágios, o que eleva o número total de casos positivos do novo coronavírus na Jordânia para 3.528, de acordo com o responsável de Saúde, Saad Jaber.

A Jordânia impôs um recolher obrigatório no país em 21 de março, durante mais de 50 dias, tendo sido um dos governos que adotou medidas mais severas em todo o Médio Oriente.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 924.968 mortos e mais de 29 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG