Timor-Leste

Jornalista Max Stahl morre 30 anos depois do massacre que filmou em Santa Cruz

Jornalista Max Stahl morre 30 anos depois do massacre que filmou em Santa Cruz

Max Stahl morreu na quarta-feira, praticamente 30 anos depois de recolher as imagens do massacre, no cemitério de Santa Cruz, em Díli, Timor-Leste, que contribuiriam para mudar para sempre o percurso da luta pela independência do país.

Por coincidência, faleceu no mesmo dia em que morreu, em 1991, Sebastião Gomes, o jovem que foi a enterrar em Santa Cruz e cuja morte suscitou o protesto que acabaria por terminar no agora conhecido Massacre de Santa Cruz.

Mais de duas mil pessoas tinham-se dirigido a Santa Cruz para prestar homenagem a Sebastião Gomes, morto por elementos ligados às forças indonésias no bairro de Motael.

A ação dos militares indonésios foi filmada por Max Stahl e a atenção internacional sobre Timor-Leste mudou para sempre.

No cemitério, os militares indonésios abriram fogo sobre a multidão e provocaram a morte de 74 pessoas no local. Nos dias seguintes, mais de 120 jovens morreram no hospital ou em resultado da perseguição das forças ocupantes.

A maioria dos corpos nunca foram recuperados.

Nascido a 06 de dezembro de 1954 no Reino Unido e cidadão timorense desde 2019, o jornalista e documentalista Christopher Wenner, mais conhecido como Max Stahl, começou a sua ligação ao país em 1991 quando conseguiu entrar em Timor-Leste pela primeira vez.

PUB

A 12 de novembro, escondido entre as campas do cemitério de Santa Cruz, filma um dos muitos massacres ocorridos durante a ocupação indonésia do país, com as imagens a correrem mundo e a mudar para sempre a história do país.

Condecorado com o Colar da Ordem de Timor-Leste, a mais alta condecoração dada a cidadãos estrangeiros no país, com o Prémio Rory Peck e vários outros galardões, Max Stahl deixa como legado um dos principais arquivos de imagens dos últimos anos da ocupação indonésia do país e do período imediatamente antes e depois do referendo de independência.

O Centro Audiovisual Max Stahl em Timor-Lete (CAMSTL) contém milhares de horas de vídeo incluindo entrevistas alargadas com os principais atores da luta timorense pela independência.

O arquivo foi considerado pela UNESCO como Registo da Memória do Mundo e tem vindo a ser objeto de um trabalho de preservação e divulgação, para fins de ensino e investigação acerca da história de Timor, no âmbito de protocolo de cooperação estabelecido entre a Universidade de Coimbra, a Universidade Nacional de Timor-Leste e o CAMSTL.

Descendente de uma família de diplomatas, repórter de guerra - chegou a ser ferido nos Balcãs - Max estudou literatura na Universidade de Oxford e era um poliglota, dominando várias línguas, incluindo as duas oficiais de Timor-Leste, o português e o tétum.

Começou a sua carreira a escrever para o teatro e para programas infantis de televisão e encontrou a sua vocação de repórter de guerra quando vivia com a família - o pai era embaixador - em El Salvador, de onde enviou reportagens durante a guerra civil entre 1979 e 1992.

Entre outros conflitos acompanhou os da Geórgia, da ex-Jugoslávia e, a partir de 30 de agosto 1991, de Timor-Leste, onde chegou, como 'turista' a convite de quadros da resistência.

Ao longo da sua longa ligação a Timor-Leste, onde vivia até ter recentemente que viajar para a Austrália para tratamento médico, entrevistou algum dos líderes históricos da resistência como Nino Konis Santa, David Alex e outros.

Seria Santa Cruz, e o massacre de 12 de novembro de 1991 que tornaria o nome de Max Stahl conhecido internacionalmente, com as imagens a serem das primeiras a atestar a barbárie da ocupação indonésia.

Em Portugal as imagens acabaram por ter um impacto especial, tanto pela dureza da violência como pelo facto dos sobreviventes se terem reunido na pequena capela de Santa Cruz a rezar, em português, enquanto se ouviam as balas dos militares e policias indonésios.

O referendo de 1999 levou Max Stahl a regressar a Timor-Leste, onde acompanhou quer a violência antes do referendo quer depois do anúncio da vitória da independência tendo acompanhado famílias em fuga para as montanhas.

A noticia da morte de Max Stahl, hoje num hospital em Brisbane, tornou-se rapidamente o assunto mais comentado nas redes sociais em Timor-Leste, suscitando condolências de vários responsáveis e de personalidades ligadas à causa da luta pela independência.

Em declarações à Lusa, o ex-Presidente da República timorense, José Ramos-Horta, considerou a morte de Max Stahl é uma "grande perda" para Timor-Leste e para o mundo, e que vai causar "profunda consternação e dor" em toda a população timorense.

"Que grande perda para todos nós, para Timor-Leste, para o mundo. Alguém como o Max, de um grande coração, de uma grande dedicação e amor a Timor-Leste (...), ser levado para outro mundo", afirmou à Lusa.

Ingrid Brucens, mulher de Max Stahl e que estava com os três filhos do jornalista em Brisbane, anunciou a morte aos amigos.

"O rei está morto. Com imensa tristeza, escrevo para informar que Max faleceu esta manhã por volta das 04h30", escreveu em mensagens a amigos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG