EUA

Jovem afro-americano baleado 60 vezes pela polícia no Ohio

Jovem afro-americano baleado 60 vezes pela polícia no Ohio

Centenas de pessoas manifestaram-se no domingo em Akron, Ohio, após a polícia ter divulgado vídeos que confirmam que oito agentes atingiram 60 vezes um jovem afro-americano nesta cidade perto de Cleveland, no norte dos Estados Unidos.

Após as autoridades terem apelado a que as manifestações decorressem de forma pacífica, uma marcha seguiu em direção à sede da autarquia de Akron, com faixas pedindo "Justiça para Jayland".

Jayland Walker foi morto em 27 de junho, enquanto fugia da polícia a pé, após agentes terem tentado parar o veículo que o jovem de 25 anos conduzia, a que se seguiu uma perseguição de carro.

As forças de segurança divulgaram no domingo vídeos dos agentes a dispararem contra Walker, imagens que o chefe de polícia de Akron, Stephen Mylett, admitiu serem "chocantes" e "difíceis de assistir".

Stephen Mylett revelou que, segundo o relatório do médico legista, o corpo do jovem afro-americano foi atingido por 60 balas. De acordo com a imprensa local, os polícias dispararam mais de 90 vezes.

PUB

Associações antirracistas tinham apelado a manifestações, pelo quarto dia consecutivo, em Akron, uma cidade de 190 mil habitantes, conhecida por ser a terra natal da estrela de basquetebol LeBron James.

Fuga e perseguição por uma infração de trânsito

Segundo a polícia, os agentes tentaram parar o veículo em que Jayland Walker viajava, na passada segunda-feira, às 12.30 horas (15.30 horas em Portugal continental), por uma infração de trânsito e este não parou.

Durante a perseguição, Walker terá disparado uma vez contra os polícias, algo que a família do jovem nega.

Pouco depois, Walker saiu do veículo e iniciou uma fuga a pé, enquanto os agentes o perseguiam e disparavam, considerando-o uma "ameaça mortal", segundo um comunicado divulgado pela polícia de Akron.

Walker foi mais tarde declarado morto no parque de estacionamento para o qual havia fugido.

Para o presidente da organização americana de defesa dos direitos civis NAACP, Derrick Johnson, a morte de Walker foi "um assassínio".

"Este homem negro foi morto (...) por uma possível infração de trânsito. Isso não acontece com a população branca nos Estados Unidos", acrescentou.

A marcha de domingo foi pacífica, exceto por um momento de tensão, em que os manifestantes se aproximaram de um cordão da polícia e insultaram os agentes.

O autarca de Akron, Dan Horrigan, disse apoiar "totalmente o direito" dos habitantes a "expor as suas queixas em público", acrescentando estar "com o coração partido" pela morte de Jayland Walker. "Mas espero que as pessoas concordem que violência e destruição não são a solução", disse Dan Horrigan, numa conferência de imprensa, durante a qual também anunciou a abertura de uma investigação independente.

Os oito polícias envolvidos na morte foram suspensos administrativamente até ao fim do inquérito judicial.

A autarquia já tinha decidido na quinta-feira cancelar um festival anual previsto para o fim de semana prolongado do feriado nacional americano, que se celebra esta segunda-feira, por considerar que "não era altura para festividades".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG