Índia

Jovem queimada quando ia testemunhar contra alegados violadores

Jovem queimada quando ia testemunhar contra alegados violadores

Uma mulher de 23 anos foi queimada quando estava a caminho de uma audiência para testemunhar contra dois homens que alegadamente a violaram, na Índia. A jovem ficou em estado crítico no hospital, com queimaduras em 70% do corpo.

A vítima foi atacada na quinta-feira por cinco homens na cidade de Unnao, no estado indiano de Uttar Pradesh. Os agressores apanharam-na na estação de comboio, arrastaram-na para um campo, encheram-na de gasolina e queimaram-na.

As autoridades afirmaram que dois dos atacantes eram os mesmos homens que a mulher tinha acusado de a terem violado em março. Um deles foi libertado sob fiança enquanto o outro estava fugido da polícia. "Os dois homens atearam fogo à jovem para se vingar", disse um agente policial, citado pelo jornal britânico "The Guardian".

As autoridades revelaram ainda que a mulher teve uma relação com um dos agressores no ano passado. Ele terá prometido casamento, mas abusou dela físicamente e depois violou-a com outro amigo.

A decisão de libertar os supostos violadores sob fiança foi muito criticada. Supriya Sule, deputada daquele país, escreveu no Twitter: "Extremamente triste e chocada ao saber que a vítima de violação de Unnao foi queimada no início desta manhã [quinta-feira]. Se os culpados não fossem protegidos e fossem condenados ​​a tempo, isso não teria acontecido. Uttar Pradesh é um estado sem lei". O também deputado Sakshi Maharaj descreveu o incidente como "realmente lamentável" e frisou a opinião popular no seu partido de que os violadores deveriam enfrentar pena de morte.

Este é apenas mais um de uma série de ataques contra mulheres na Índia, que gerou uma onda de indignação em todo o país. Na semana passada, uma médica veterinária de 26 anos foi violada por um grupo e asfixiada até à morte, antes de o seu corpo ser queimado e deitado fora. Dias depois, no estado de Bihar, uma adolescente foi violada e assassinada por um grupo antes de o seu corpo ser queimado. Em resposta, milhares de pessoas saíram às ruas em protesto, esta semana, exigindo mais e melhores proteções para as mulheres.

Mais de 32 mil casos de violação foram registados em 2017, segundo dados do governo indiano, mas acredita-se que o número real seja muito maior.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG