EUA

Jovens em férias provocam caos e deixam Miami em emergência

Jovens em férias provocam caos e deixam Miami em emergência

Os milhares de jovens adultos que estão em Miami Beach, na Florida, para as habituais férias da Primavera naquela zona com bom tempo e calor dos EUA tornaram-se tão incontroláveis que as autoridades declararam o estado de emergência no sábado e impuseram um recolher obrigatório destinado a anular as festas.

A mudança marca o segundo ano consecutivo em que a diversão foi encurtada no popular destino das férias da Primavera - em Março passado porque a pandemia estava apenas a aumentar e este ano devido a multidões desordeiras e destrutivas.

As novas regras impostas no sábado impõem que os visitantes devem sair das ruas e que os restaurantes têm de fechar as portas às 20 horas em South Beach, o epicentro da vida noturna da cidade, após um aumento da violência e do vandalismo nos últimos dias.

"É um pouco chato", disse John Perez, um estudante do Texas que bebe cerveja com um grupo de amigos na areia, apesar dos esforços da polícia para impedir o consumo de álcool na praia. Para além do recolher obrigatório, as três pontes que ligam a ilha de Miami Beach a Miami continental estarão agora fechadas ao trânsito das 22 horas às 6 horas. Apenas os residentes, trabalhadores e hóspedes de hotéis terão acesso.

Uma fotografia aérea divulgada pela polícia no sábado à noite mostrou a avenida principal da cidade, Ocean Drive, vazia apenas duas horas após o recolher obrigatório ter entrado em vigor.

PUB

Miami Beach não é estranha a multidões incontroláveis nas férias da Primavera, mas este ano, com aproximadamente 13% dos residentes dos EUA vacinados, o ambiente é particularmente festivo e a ilusão de que a pandemia está agora sob controlo é omnipresente. "Vai buscar a tua vacina para que possas vir aqui e divertir-te como nós, porque nós vacinámos, querida", disse Jalen Rob, outra estudante do Texas, à AFP.

Outro homem, com a cara pintada como o Joker, estava em cima de um carro a gritar "A covid acabou, baby!" enquanto agitava uma bandeira americana, num vídeo postado no Twitter pelo cineasta Billy Corben.

Como um concerto

O gestor interino da cidade, Raul Aguila, considerou que a imposição de um recolher obrigatório da cidade é essencial para a segurança pública, salientando que as enormes multidões reunidas em Ocean Drive pareciam um concerto. "Não se podia ver o pavimento e não se podia ver a relva".

O presidente da Câmara de Miami Beach, Dan Gelber, disse no sábado, ao anunciar o recolher obrigatório, que "o volume de pessoas é claramente maior do que tem sido nos anos anteriores. Penso que se deve em parte ao facto de haver muito poucos lugares abertos noutros locais do país, ou estão demasiado frios - ou não estão abertos e estão demasiado frios".

Nos últimos dias surgiram vídeos virais mostrando lutas em restaurantes que causaram sérios prejuízos materais, para além de incitarem os comensais a fugir sem pagar contas caras, de acordo com relatos da imprensa local.

O Chefe da Polícia de Miami Beach, Richard Clements, disse estar preocupado que a situação se torne incontrolável. Na quinta-feira à noite "tivemos um problema em que centenas de pessoas começaram a correr ao mesmo tempo, com episódios de violência e mesas e cadeiras atiradas e usadas como armas", explicou.

Acrescentou que a polícia tinha esperança que fosse um acontecimento único, mas na noite anterior tinham ocorrido três dessas situações e houve mesmo uma jovem que se magoou por tentar fugir de uma multidão. Um dos locais mais emblemáticos da cidade, The Clevelander South Beach, anunciou sexta-feira que estava a fechar os seus restaurantes e bares e que iria manter apenas o hotel a funcionar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG