Autópsia

Julen sofreu "traumatismo cranioencefálico grave"

Julen sofreu "traumatismo cranioencefálico grave"

O corpo de Julen, a criança de dois anos que, na madrugada deste sábado, foi encontrada sem vida em Totalán (Málaga), apresenta um "traumatismo cranioencefálico grave".

O funeral realiza-se no domingo.

De acordo com os resultados preliminares da autópsia realizada ao corpo, a que a imprensa espanhola teve acesso, o golpe detetado na cabeça do pequeno Julen terá sido causado por pedras e outros sedimentos. A autópsia determinou ainda que a criança caiu de pé e que levantou os braços, sinal que indica aos investigadores que se tentou proteger da queda, avança o jornal "El Mundo". Terá morrido logo no primeiro dia.

Há múltiplas contusões que os investigadores consideram coincidentes com o impacto nas paredes do túnel durante a queda, segundo fontes próximas da investigação, citadas pelo "El País" e pelo "La Vanguardia".

Os resultados dos primeiros dados da autópsia - que começou às 8.30 horas locais deste sábado (menos uma hora em Portugal continental) - vão ser agora encaminhados para a autoridade judicial. Segundo o delegado do Governo na Andaluzia, Alfonso Rodríguez Gómez de Celis, será o Tribunal de Instrução 9 de Málaga a determinar as causas e possíveis responsabilidades do acidente.

Julen caiu até aos 71 metros e ficou tapado por terra

PUB

Segundo disse o mesmo responsável do Governo regional em conferência de imprensa, a posição em que se encontrava o corpo de Julen quando foi encontrado indica que "caiu direto até aos 71 metros, onde foi encontrado".

"A tese é que durante a própria queda de Julen foi caindo terra por cima. As paredes do túnel são muito arenosas. Mas é uma tese que teremos de investigar", acrescentou, adiantando ainda que, até aos 71 metros, o túnel estava "totalmente coberto por terra".

"O ar que poderia existir estava entre os pés e a cabeça [do menino]. Julen ficou tapado com terra", reiterou.

Alfonso de Celis acrescentou que "a Guardia Civil gravou toda a operação para ajudar na investigação" e que o túnel utilizado no resgate foi tapado com uma placa de 600 quilos, para evitar qualquer entrada nos próximos dias. "A intenção é encher os dois furos e selá-los, quando houver autorização judicial", explicou.

E deixou um apelo: "Quem tenha feito um furo ilegal na Andaluzia e em Espanha, quem sabe se ainda não vai a tempo de o tapar. Acho que vale a pena que uma tragédia como esta não se volte a repetir".

Funeral realiza-se no domingo

Julen foi encontrado sem vida pela equipa de resgate, às 1.25 horas locais deste sábado (00.25 horas em Portugal continental). Um efetivo da Guardia Civil resgatou o corpo.

Junto ao tanatório de El Palo, familiares, amigos e anónimos aguardaram a chegada de Julen num ambiente de consternação, tristeza e tensão face à presença de muitos jornalistas. O pequeno caixão chegou pelas 16 horas (15 horas em Portugal continental), hora a que teve início o velório. Ofuneral realiza-se domingo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG