O Jogo ao Vivo

Brasil

Justiça condena ex-ministro que escondeu milhões de reais em apartamento

Justiça condena ex-ministro que escondeu milhões de reais em apartamento

O ex-ministro brasileiro Geddel Vieira Lima e o seu irmão, o antigo deputado Lúcio Vieira Lima, foram hoje condenados a prisão por associação ilícita e branqueamento de capitais, materializados em milhões de reais escondidos num apartamento.

A sentença foi ditada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que condenou a 14 anos e 10 meses de prisão o ex-ministro, que chefiou a pasta da Integração Nacional entre 2007 e 2010, na gestão do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que ocupou a Secretaria do Governo durante o mandato do anterior chefe de Estado do Brasil, Michel Temer.

No caso do seu irmão, que entre 2011 e 2019 ocupou um assento na Câmara dos Deputados pelo partido Movimento Democrático Brasileiro (MDB), a pena foi fixada em 10 anos e seis meses de prisão.

Os irmãos Vieira Lima eram próximos de Michel Temer que, em 2016, na condição de vice-presidente, assumiu o poder após a destituição da então mandatária Dilma Rousseff, considerada culpada deirregularidades financeiras num julgamento político.

Também Temer responde por vários processos por alegada corrupção, todos abertos a partir do dia 01 de janeiro deste ano, quando perdeu os privilégios presidenciais ao ceder o poder a Jair Bolsonaro, vencedor das eleições de 2018.

O caso que envolve os irmãos Vieira Lima começou com uma investigação que levou a Polícia a encontrar, num apartamento sem móveis, em Salvador da Bahía, dezenas de malas e caixas com cerca de 51 milhões de reais (cerca de 11 milhões de euros) em dinheiro vivo, em 2017.

O ex-ministro admitiu que costumava usar o apartamento em causa, que lhe teria sido emprestado por um amigo, mas nunca conseguiu explicar a origem do dinheiro que, para as autoridades, era proveniente de corrupção na Caixa Económica Federal, um banco público no qual Geddel ocupou a vice-presidência entre 2011 e 2013.

Geddel Vieira Lima encontra-se em prisão preventiva desde setembro de 2017, condição pedida pela Procuradoria-Geral da República até à existência de uma sentença, que considerava que o ex-ministro poderia tentar impedir outras investigações ou até mesmo fugir do país.

No mesmo caso estava também envolvido o empresário Luiz Fernando Machado, suposto cúmplice dos irmãos Vieira Lima nas fraudes detetadas na Caixa Económica, mas que acabou por ser absolvido. Os juízes entenderam não haver provas suficientes sobre a sua alegada participação nos crimes.

Outros Artigos Recomendados