Mundo

Justiça sueca confirma mandado de detenção de Assange

Justiça sueca confirma mandado de detenção de Assange

O Tribunal de Recurso de Estocolmo confirmou, esta quinta-feira, o mandado de detenção para interrogatório por alegados crimes sexuais do fundador do portal Internet "Wikileaks", Julian Assange, que tinha pedido a anulação da ordem judicial.

"O Tribunal de Recurso recusa o requerimento de Julian Assange de anulação do mandado de detenção emitido pelo tribunal", anunciou o tribunal.

A justiça sueca considerou que um levantamento do mandado tornaria "importante o risco de fuga" de Assange, 43 anos, refugiado há dois anos na embaixada do Equador em Londres.

O mandado, confirmado esta quinta-feira, visa interrogar Assange sobre acusações de violação e molestação sexual de duas mulheres, quando visitou a Suécia em 2010.

Assange nega as acusações e manifestou o receio de que uma extradição para a Suécia possa levar a uma transferência para os Estados Unidos, país que o quer julgar pela divulgação de documentos diplomáticos e militares secretos norte-americanos.

O australiano chegou a pedir ao Ministério Público sueco para ser interrogado por procuradores suecos em Londres, mas o pedido foi recusado com o argumento de que essa não é uma prática legal normal e que poderia prejudicar a investigação.

Na decisão de hoje, os magistrados repetiram que "as audiências devem realizar-se na Suécia dada a natureza das infrações (...) e um eventual julgamento seria obrigatoriamente na Suécia".

Se abandonar a embaixada, o australiano pode ser detido e extraditado para a Suécia, mas para a justiça sueca, está recluso na missão diplomática de livre vontade.

"Julian Assange pode deixar a embaixada se quiser. Isso significa que a restrição da sua liberdade não equivale a uma privação de liberdade", afirmaram os magistrados na decisão, contrariando o que foi argumentado pelos advogados do australiano.

O "Wikileaks" publicou em 2010 cerca de 250 mil telegramas diplomáticos norte-americanos e 500 mil relatórios militares classificados.

Outros Artigos Recomendados