Mundo

Kadafi deve parar de fazer "declarações fantasiosas"

Kadafi deve parar de fazer "declarações fantasiosas"

O dirigente líbio Muammar Kadafi deve parar de fazer "declarações fantasiosas" e admitir a derrota, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, William Hague.

"Está na altura de o coronel Kadafi parar de fazer declarações fantasiosas e reconhecer o que aconteceu", disse Hague em Londres, no final de uma reunião do Conselho de Segurança Nacional sobre a situação na Líbia.

O governante britânico referia-se à mensagem sonora emitida esta madrugada numa rádio líbia, na qual o dirigente líbio incitou os residentes de Tripoli a "limparem" os rebeldes.

Hague disse que o governo britânico está a acompanhar os desenvolvimentos "hora a hora" e que está convicto de estar a assistir ao fim do regime.

"Claro que não sabemos quanto tempo demorará", acrescentou, prevendo uma "situação difícil durante algum tempo".

O chefe da diplomacia britânica apelou ao líder líbio para que reconheça que perdeu o controlo da capital para os rebeldes e para pedir às suas forças para abandonarem as armas.

Pelo contrário, elogiou a atitude da oposição, que tem prometido "um governo interino abrangente e um processo político claro para o futuro na Líbia".

Hague garantiu que o Reino Unido continuará a ter um "papel activo" no conflito, nomeadamente nas operações da NATO, que defende deverem continuar "enquanto for necessário defender civis".

Londres está ainda envolvido na assistência humanitária, nos esforços diplomáticos no âmbito da ONU e na libertação de bens financeiros líbios congelados.