Ucrânia

Kiev admite reativar dois reatores da central nuclear de Zaporíjia

Kiev admite reativar dois reatores da central nuclear de Zaporíjia

A Ucrânia está a considerar reiniciar a central nuclear de Zaporíjia, ocupada por tropas russas, para garantir a segurança da infraestrutura, semanas depois de ter sido desativada por receios de uma fuga de radioatividade, indicou, esta terça-feira, o operador ucraniano.

Zaporíjia, no sul da Ucrânia, é o maior complexo nuclear ucraniano e também da Europa.

Esta central nuclear tornou-se num dos locais mais críticos no atual contexto da ocupação russa da Ucrânia. Sofreu danos na sequência dos combates travados na zona, o que suscitou receios a nível internacional de um desastre nuclear, e o seu diretor-geral foi detido pelas forças russas na passada sexta-feira.

PUB

Ihor Murashov seria libertado na segunda-feira, segundo anunciou a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

A empresa nuclear estatal ucraniana Energoatom desligou o último dos reatores da central em 11 de setembro, argumentando então que a atividade militar russa poderia provocar uma potencial catástrofe.

Mas agora a empresa enfrenta outro problema.

Em entrevista à agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP), o presidente da Energoatom, Petro Kotin, disse que a empresa poderá reativar brevemente dois dos reatores para proteger a segurança das instalações quando o inverno se aproxima e as temperaturas estão a descer.

"Se as temperaturas forem muito baixas, tudo pode congelar no interior. O equipamento de segurança ficará danificado", disse o representante.

"É necessário um aquecimento, e o único provém de um reator em funcionamento", prosseguiu.

As tropas russas ocuparam a central e a área circundante, incluindo a cidade de Energodar, onde milhares de trabalhadores ucranianos continuam a assegurar a manutenção do complexo nuclear.

A central constitui a única fonte de energia para a cidade, disse Kotin.

A Energoatom poderá decidir já na quarta-feira sobre o reinício da atividade dos reatores.

"De momento avaliamos todos os riscos. E isso depende do tempo. A decisão tem de ser rápida", afirmou.

O atual problema consiste no facto de os diversos sistemas que mantêm os reatores seguros e operacionais não poderem estar em contacto com baixas temperaturas, devido ao risco de deixarem de funcionar. Na atual situação, a potência destes sistemas tem de ser proveniente do interior da central.

O diretor-geral da central, Ihor Murashov, foi detido por forças russas na sexta-feira, quando se dirigia para casa. Segundo Kotin, foi forçado a emitir "falsas declarações" perante as câmaras antes de ser libertado.

A central nuclear está situada numa das quatro regiões que o Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou terem sido anexadas. No entanto, a cidade de Zaporijia, nos arredores, permanece sob controlo ucraniano.

As forças russas ocuparam a central nuclear no início da guerra. As duas partes em conflito têm-se acusado de bombardeamentos no local, que danificaram diversas estruturas.

Kotin voltou a apelar ao estabelecimento de uma "zona desmilitarizada" em torno da central, onde permanecem dois peritos da AIEA, o organismo da ONU para o nuclear.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG