Covid-19

Libertação de Julian Assange recusada pelo tribunal britânico

Libertação de Julian Assange recusada pelo tribunal britânico

O tribunal britânico recusou esta quarta-feira o pedido de libertação do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que receia ser infetado pelo novo coronavírus na prisão de segurança máxima de Belmarsh, onde está detido.

Ao que apurou a AFP, o advogado de Julian Assange, Edward Fitzgerald, diz que cerca de cem funcionários do estabelecimento prisional estão em isolamento após terem manifestado sintomas de covid-19. A saúde frágil do arguido, com 48 anos e um histórico de problemas pulmonares, não foi suficiente para o tribunal aprovar a sua libertação com pulseira eletrónica, solicitação efetuada por Fitzgerald depois do Governo britânico admitir libertar temporariamente alguns presos para reduzir a incidência de coronavírus nas prisões do país.

O ativista foi preso em abril do ano passado, depois de ter estado sete anos exilado na embaixada do Equador em Londres, onde se refugiou após ter violado as condições de fiança. A pedido da justiça americana, encara agora a possibilidade de extradição para os EUA, onde será julgado pelos crimes de espionagem após a publicação de milhares de documentos confidenciais sobre as atividades militares e diplomáticas do país. A pena de Assange poderá alcançar os 175 anos de prisão.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG