Covid-19

Mafiosos libertados das prisões italianas geram polémica

Mafiosos libertados das prisões italianas geram polémica

Centenas de detidos por ligações a máfia foram colocados em prisão domiciliária em Itália para evitar serem contaminados com o novo ​​​​​​​coronavírus, uma decisão alvo de criticas que levaram hoje o ministro da Justiça a anunciar uma revisão da situação.

Nas últimas semanas, 376 membros das máfias italianas saíram das prisões e foram colocados em prisão domiciliária, com pulseiras eletrónicas, ao comprovar que sofrem de doenças que os colocam em risco caso contraíssem o novo coronavírus, publicou o diário "La Repubblica".

Os criminosos beneficiaram de um plano de desencarceramento com o objetivo de impedir a propagação da pandemia da covid-19 dentro das prisões do país, que abrangeu cerca de 6.000 presos que têm no máximo 18 meses de sentença por cumprir.

Essa política, juntamente com os motins de março provocados pelo medo do vírus, levou à renúncia do chefe do Departamento de Administração Penitenciária (DAP), Francisco Basetini, e atraiu duras críticas ao ministro da Justiça, Alfonso Bonafede.

Os meios de comunicação divulgaram hoje uma lista com os nomes dos presos enviada ao DAP pela comissão parlamentar anti-máfia, com o objetivo de esclarecer esta controvérsia.

Entre os libertados estão cerca de sessenta elementos ligados as máfias da Sicília, a cidade da organização Cosa Nostra, e outros cinquenta da Campânia, dominada pelos clãs da Camorra, segundo o "La Repubblica".

Entre eles destacam-se três 'capos' (chefes) que estavam em regime de isolamento: o camorrista Pasquale Zagaria, o siciliano Francesco Bonura, e ainda Vincenzo Iannazzo, expoente da calabresa 'Ndrangheta', a máfia italiana mais poderosa e cruel da atualidade.

O ministro Bonafede, figura importante no movimento 5 Estrelas (M5S), tem sido muito criticado e a oposição pede a sua demissão, sobretudo o líder da extrema-direita, Matteo Salvini.

A libertação destes presos tem preocupado os procuradores e investigadores, que preferiam o internamento em instalações médicas de alta segurança.

Face ás criticas crescentes, o ministro anunciou, na Câmara dos Deputados, a aprovação de um decreto-lei que permite aos juízes reavaliar as condições que permitiram a colocação em prisão domiciliária, facilitando o regresso às celas.

O texto foi apresentado em face da "nova situação de saúde", uma vez que a pandemia do novo coronavírus se tem contraído nas últimas semanas e o país começou a diminuir as restrições de movimento.

O ministro prometeu a "máxima determinação" na luta contra a máfia e garantiu que ela sempre "foi, é e será" a sua linha de ação à frente da pasta da Justiça.

A Itália regista até hoje 29.698 mortos, em mais de 214 mil casos do novo coronavírus.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 257 mil mortos e infetou quase 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Outras Notícias