Mundo

Libertadas treze freiras raptadas na Síria há mais de três meses

Libertadas treze freiras raptadas na Síria há mais de três meses

Treze freiras sequestradas na Síria, há mais de três meses, por um grupo de rebeldes, foram libertadas, este domingo, mas o seu paradeiro não é claro.

O presidente do Conselho Ortodoxo libanês, Robert Eid, que participou nas negociações para a libertação das religiosas, disse à agência Efe que estas se encontram na localidade libanesa de Arsal, fronteiriça com a Síria, nas mãos de forças de segurança libanesas.

Robert Eid acrescentou que as freiras estão bem de saúde e que foi pago um resgate, cujo montante não revelou.

Uma fonte da Nunciatura em Damasco, capital síria, indicou, sem mais detalhes, que as mulheres estão na parte libanesa da fronteira.

O diretor da Segurança Nacional libanesa, Abas Ibrahim, informou apenas, porém, segundo a agência de notícias ANN, que a entrega das freiras às autoridades do Líbano será feita este domingo à noite.

A televisão oficial síria noticiou a libertação das religiosas, "sequestradas por terroristas", e assinalou que é esperada a sua chegada ao Líbano através do posto fronteiriço de Yadid Yabus.

As freiras foram raptadas a 2 de dezembro, do Convento de Santa Tecla, durante o assalto pelos rebeldes à povoação de Malula, de maioria cristã.

O regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, acusou terroristas, como designa os opositores, de terem sequestrado as religiosas que, posteriormente, foram levadas para a localidade de Yabrud, perto da fronteira com o Líbano.

O grupo de rebeldes, que tinha em seu poder as monjas, exigiu em janeiro, em troca, a libertação de 200 presos.

O contacto com os sequestradores tinha-se perdido na quarta-feira, após uma série de bombardeamentos aéreos do Exército sírio contra Yabrud, a povoação mais importante da região de Al-Qalamun, que ainda não tinha sido recuperada pelo regime.