Espionagem

Libertado casal australiano detido no Irão

Libertado casal australiano detido no Irão

Um casal de turistas australianos detido no Irão foi libertado na sequência de "negociações muito delicadas" com Teerão, anunciou a ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Marise Payne.

Jolie King e Mark Firkin, oriundos de Perth, na costa oeste da Austrália, regressaram a casa "com saúde e animados", indicou a governante. Todas as acusações contra o casal foram retiradas, acrescentou.

O casal esteve detido durante três meses em Teerão pelo alegado uso de um drone [aparelho aéreo não tripulado] sem autorização.

"Para Jolie e Mark, esta situação que viveram terminou e podem voltar para a família, o que é um grande alívio e alegria para todos", disse.

Há ainda uma cidadã australiana presa recentemente pelas autoridades iranianas que continua detida. Identificada como a universitária Kylie Moore-Gilbert, especialista no Médio Oriente e principalmente em países do Golfo, é acusada de "espionar em benefício de um país terceiro".

Cidadão do Irão detido na Austrália foi libertado

Também neste sábado, um estudante iraniano, detido na Austrália há 13 meses acusado de contornar as sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irão, foi libertado e voltou a Teerão.

O anúncio foi feito na televisão estatal do Irão horas depois de Camberra anunciar a libertação do casal de australianos acusados de espionagem.

Reza Dehbashi, estudante de doutoramento da Universidade de Queensland, perto de Brisbane, foi preso na Austrália por tentativa de comprar e transferir para o Irão, através do Dubai, equipamentos militares de ponta dos Estados Unidos, segundo o site do canal de televisão iraniano.

De acordo com a mesma fonte, a justiça australiana tentou extraditar Dehbashi para os Estados Unidos, mas por fim foi libertado.

A televisão estatal transmitiu imagens da chegada de Dehbashi ao Aeroporto Internacional de Teerão, mostrando-o a chorar abraçado a uma mulher, aparentemente da sua família.

Segundo a comunicação social iraniana, Dehbashi estava a trabalhar na investigação de cancro da pele no momento da prisão e descartou as acusações, considerando-as injustas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG