Amazónia

Líder dos índios Guajajara no Brasil foi morto a tiro

Líder dos índios Guajajara no Brasil foi morto a tiro

Um líder dos índios Guajajara foi encontrado morto no Estado do Maranhão, na Amazónia, norte do Brasil, informou a Secretaria Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular.

O corpo de Zezico Guajajara, diretor do Centro de Educação Escolar Indígena de Azuru, foi encontrado, baleado, na estrada de acesso à reserva da Terra Indígena Arariboia, na jurisdição do município de Arame.

A Terra Indígena Arariboia é uma reserva de 413 mil hectares partilhados por 12 mil índios de três etnias diferentes e onde são recorrentes os conflitos entre os autóctones e os madeireiros.

Ainda não são conhecidos os motivos e as circunstâncias do que aparenta ter sido um assassinato, adiantou a Secretaria Estadual de Direitos Humanos e Participação Popular, precisando que aguarda informações da polícia.

De acordo com os índios de Arariboia, Zezico Guajajara saiu na terça-feira da sua aldeia com destino a um município próximo para fazer compras.

O líder indígena era alvo de ameaças de morte, relacionadas tanto com conflitos pela disputa de poder nas terras amazónicas, como por reivindicar terra para os indígenas e o fim da desflorestação da selva.

O líder chegou a fazer denúncia dessas ameaças junto da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Polícia Federal.

A morte de Zezico Guajajara foi confirmada à agência espanhola Efe pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), organismo ligado à Igreja Católica, e por Sónia Guajajara, uma das principais líderes da etnia indígena da Amazónia (candidata a vice-presidente nas eleições de 2018 pelo Partido Socialismo e Liberdade). Nenhuma destas fontes tem detalhes sobre o que aconteceu.

Na sua página oficial, o Cimi Regional Maranhão apela para que "esse crime não seja como tantos outros que ceifaram a vida de outras lideranças indígenas (...) e ficaram impunes", exigindo "justiça para o povo Guajajara".

Este é o quinto líder indígena morto violentamente nos últimos cinco meses.

A violência contra os Guajajara levou o Governo federal a destacar para a região, desde dezembro, agentes da Força Nacional de Segurança Pública, grupo de elite da polícia, com o objetivo de reforçar a segurança nos territórios indígenas.

Porém, as organizações de direitos humanos, que relatam ataques na zona há vários anos, quer de compradores ilegais de terra, quer de madeireiros, denunciam a impunidade dos crimes contra os índios e a passividade das autoridades brasileiras.

Segundo o Cimi, a invasão de terras indígenas em todo o Brasil aumentou cerca de 44 % desde janeiro de 2019, quando Jair Bolsonaro assumiu a Presidência do país.

O presidente é conhecido pelas suas críticas à criação de reservas indígenas e autorizou recentemente a exploração de minérios nas terras amazónicas. Bolsonaro considera que os índios devem ser considerados cidadãos brasileiros como os outros.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG