Espionagem

Lituânia perdoa espiões russos e abre caminho para troca de agentes com Moscovo

Lituânia perdoa espiões russos e abre caminho para troca de agentes com Moscovo

O presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, perdoou na sexta-feira dois russos condenados por espionagem em 2017, segundo um comunicado oficial, abrindo caminho para uma possível troca de espiões com Moscovo.

Segundo os meios de comunicação lituanos, que citam fontes anónimas, os dois russos, Nikolai Filipchenko e Sergei Moiseenenko, poderiam ser trocados por dois lituanos, Yevgeny Mataitis e Aristidas Tamosaitis, e o norueguês Frode Berg, condenados na Rússia por espionagem.

No decreto assinado pelo presidente indica-se que os russos foram perdoados em virtude de uma nova lei relacionada com a troca de espiões.

Os serviços da Presidência, questionados na sexta-feira pela agência AFP, recusaram-se a comentar. "Responderemos a possíveis perguntas em breve", disse o porta-voz do chefe de Estado, Antanas Bubnelis.

Segundo as autoridades lituanas, Filiptchenko trabalhou para os serviços russos do FSB e tentou recrutar importantes autoridades lituanas. Acabou por ser condenado a dez anos de prisão e não recorreu.

Já Moiseenenko foi condenado a dez anos e meio de prisão por recrutar um capitão lituano destacado na principal base aérea militar de Siauliai, mas declarou-se inocente.

Dois cidadãos lituanos também foram condenados em 2016 por transmitirem segredos militares à Rússia.