Relato

Macau em alerta máximo devido ao novo coronavírus

Macau em alerta máximo devido ao novo coronavírus

"A cidade tem de estar preparada para o pior". O alerta foi lançado pelo chefe do executivo de Macau Ho Iat Seng numa das várias conferências de imprensa realizadas ao longo de um dia marcado pelo anúncio de um segundo caso do novo tipo de coronavírus.

As autoridades de saúde do antigo território administrado por Portugal afirmam que a situação clínica dos dois pacientes internados é estável. Quinze outras pessoas encontram-se em isolamento, dez dos quais estiveram em contacto direto com os pacientes que contraíram o novo tipo de coronavírus com origem na cidade de Wuhan, na província de Hebei no centro da China.

A crise surge numa altura em que a China se prepara para comemorar a entrada do Ano Novo Lunar do Rato, na noite desta sexta-feira, uma data que vai ser marcada por um clima de ansiedade, que já levou ao cancelamento de todas atividades programas pelos Serviços de Turismo locais. O Governo também pediu às entidades privadas que adiem ou cancelem as atividades festivas. Isso mesmo já teve reflexo com o cancelamento do tradicional jantar de ano novo chinês da SJM, operadora de casinos da família de Stanley Ho, previsto para esta sexta-feira, algo que nunca tinha acontecido em mais de cinco décadas.

O dia-a-dia na cidade está a mudar rapidamente com a entrada em vigor das medidas preventivas. A partir da tarde desta sexta-feira, passa a haver controlos da temperatura também à saída de Macau, fazendo com que, na prática, quem tiver febre, esteja impedido de sair do território. Todavia, o líder do executivo afirma que a situação não justifica o encerramento das fronteiras com a China continental.

Embora reconheça ser difícil prever a evolução do novo vírus, o Chefe do Executivo, Ho Iat Seng, antecipa que o "pico" de casos seja registado depois do Ano Novo. "Agora, as pessoas estão a movimentar-se e a haver propagação será nesta altura das deslocações das populações e, por isso, o estado mais crítico da doença poderá ser depois do Ano Novo", afirmou.

Nas ruas, muita gente usa máscaras. A corrida às farmácias começou na quinta-feira, fazendo com que tenham sido adotadas medidas de racionamento. A compra é limitada a dez máscaras por cada dez dias. Ou seja, cinco pessoas da mesma família, por exemplo, podem adquirir um total de 50 máscaras.

* Plataforma Macau

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG