França

Macron gastou 26 mil euros em maquilhagem em três meses

Macron gastou 26 mil euros em maquilhagem em três meses

Chegou à Presidência francesa em maio e já gastou 26 mil euros dos contribuintes em maquilhagem. O valor é chocante, mas Emmanuel Macron não é, pelo menos até agora, aquele que mais investiu na estética presidencial.

Desde que a notícia foi avançada, anteontem, pelo jornal "Le Point", que as críticas às despesas de imagem de Macron ecoaram pelos média franceses, apesar de acostumados aos investimentos que os presidentes mais recentes fizeram em matéria de beleza pessoal.

O Eliseu confirmou. Macron, 39 anos, o mais jovem presidente da República francesa a ser eleito, pagou duas faturas à sua maquilhadora pessoal: uma de dez mil euros; outra de 16 mil euros. Sobre ela, sabe-se somente que é conhecida como Natacha M.

"Foi uma questão de emergência", explicou a assessoria de Emmanuel Macron. "O valor total das faturas cobre vários serviços, incluindo conferências de imprensa e viagens ao estrangeiro em que a pessoa em causa teve que o acompanhar". A Presidência reconhece que "o valor é alto" e promete baixá-lo futuramente. Mas não resistiu a lembrar que, mesmo assim, "é menor do que o gasto pelos antecessores".

Barba e cabelo: 9895 euros

De facto, ainda ninguém bateu a conta de cabeleireiro e barbearia de François Hollande: 9895 euros por mês. "O barbeiro tinha que levantar-se muito cedo todos os dias e estar disponível sempre que necessário durante dia", justificou a Presidência da República Francesa, na altura. "Está disponível 24 horas por dia, nunca recorre a substitutos. Perdeu o nascimento dos filhos, os seus braços partidos, as cirurgias..."

Ao longo do mandato, de 2012 a 2017, Hollande ainda reservou seis mil euros mensais para uma maquilhadora a tempo inteiro. Os números valeram-lhe críticas de quem o acusava de fechar os olhos aos valores socialistas pela vaidade.

Nesta estatística, o mais poupado foi o 23.º presidente francês, Nicolas Sarkozy. Entre 2007 e 2012, não ultrapassou os oito mil euros mensais para maquilhagem.

Marcelo "detesta essas coisas"

Ainda assim, Sarkozy não consegue superar o caso português. Marcelo Rebelo de Sousa não gasta um cêntimo dos dinheiros públicos em estética facial ou capilar. "Ele detesta essas coisas", garantiu fonte da Presidência ao JN.

"Desde que, uma vez, nos tempos da TVI, Nicolau Breyner lhe disse que esses pós faziam mal à saúde, ele nunca mais quis usar" maquilhagem nas idas habituais à televisão como comentador.