Covid-19

Mais de 100 bebés nascidos por gestação de substituição estão retidos na Ucrânia

Mais de 100 bebés nascidos por gestação de substituição estão retidos na Ucrânia

Cerca de cem bebés nascidos por gestação de substituição estão retidos na Ucrânia, porque os pais estrangeiros não podem ir buscá-los, devido ao fecho das fronteiras, anunciaram as autoridades ucranianas.

Segundo informações preliminares, "mais de 100 bebés esperam os seus pais em unidades de saúde", disse Liudmila Denisova, com o pelouro dos direitos humanos no Parlamento de Kiev.

Se o confinamento for prolongado, outras crianças vão nascer, "podendo atingir o milhar", antecipa a responsável, baseando-se em estimativas de uma clínica da capital ucraniana especializada em gestão de substituição, que acolhe atualmente 51 bebés de pais estrangeiros, nascidos após o fecho das fronteiras ucranianas, em março.

"O pessoal está a usar câmaras para comunicar com os pais e mostrar-lhes as suas crianças", adiantou Denisova.

A pandemia de covid-19 impôs aos pais estrangeiros uma autorização especial para entrarem na Ucrânia, passada por Kiev após pedido do país de origem, mas algumas embaixadas estão a recusar fazê-lo.

É o caso da França, onde a gestão de substituição é proibida, segundo divulgou recentemente o diário francês Le Monde.

Há mais e mais pais a procurarem a Ucrânia para recorrerem à gestação de substituição, nomeadamente devido aos baixos preços (em média, 28 mil euros por bebé).

A lei ucraniana autoriza a gestação de substituição apenas para casais heterossexuais e comprovadamente inférteis.

Outras Notícias