O Jogo ao Vivo

Ocorrência

Mais de 1.300 migrantes retirados de campo na Bósnia devido a incêndio

Mais de 1.300 migrantes retirados de campo na Bósnia devido a incêndio

Mais de 1.300 pessoas que viviam num campo de refugiados temporário na Bósnia, relativamente ao qual a ONU denunciou as péssimas condições existentes, foram retiradas esta quarta-feira, após o início de um incêndio, aparentemente causado por antigos residentes.

"De acordo com o que sabemos até agora, um grupo de ex-residentes ateou fogo a três tendas de campanha e contentores depois de a maioria dos migrantes ter deixado o campo" temporário de Lipa, disse o responsável pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) para a Bósnia, Peter Van der Auweraert, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

"Não temos certeza da extensão dos danos, mas sabemos que o incêndio começou no setor de acomodação", disse a coordenadora do campo, Natasa Omerovic, ao portal de informações Klix, e a polícia ainda não esclareceu a origem do incêndio. Não há registo de feridos.

Cerca de 1.350 migrantes que estavam no campo, localizado em Bihac, muito perto da fronteira com a Croácia, foram retirados para uma clareira próxima.

"Agora estão a céu aberto, não têm onde ficar e a previsão é de que nevará amanhã (quinta-feira)", alertou Omerovic.

Horas antes do incêndio ser provocado, a OIM, que administra o campo, começou a retirar o seu pessoal depois de repetidamente pedir às autoridades bósnias que encontrassem acomodação adequada para os migrantes.

PUB

O recinto estava previsto encerrar hoje porque não está equipado para o inverno, falta água e luz elétrica.

Em outubro, a ONU, a União Europeia e várias organizações não-governamentais (ONG) denunciaram o encerramento do centro de acolhimento de Bira, também no Bihac, e que o centro de acolhimento de Lipa não tinha sido devidamente equipado.

A UE e as Nações Unidas voltaram a alertar nos últimos dias para a situação alarmante dos refugiados que aguardam na Bósnia uma oportunidade para prosseguir o seu caminho para os países ricos da União Europeia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG