Pandemia

Mais de 23 mil contágios e 460 mortos por covid-19 em Itália

Mais de 23 mil contágios e 460 mortos por covid-19 em Itália

A Itália registou 23.696 contágios e 460 mortos nas últimas 24 horas, anunciou esta quarta-feira o Ministério da Saúde, na véspera de serem reveladas as regiões que vão permanecer confinadas e o novo protocolo do Governo para acelerar a vacinação.

Com a subida de hoje, na linha dos últimos dias e ainda acima da barreira das 20 mil novas infeções, a Itália regista um total de 3.464.543 pessoas que contraíram o vírus desde o início do estado de emergência sanitária, em fevereiro de 2020.

Deste total, perderam a vida 106.799 pessoas.

Em paralelo, acentua-se a pressão sobre os hospitais, e dos 562.856 italianos atualmente infetados, 32.044 estão internados, mais 18 que na quarta-feira, com 3.620 nos cuidados intensivos (mais 18 nas últimas 24 horas).

A campanha de vacinação prossegue, com 2.706.381 pessoas imunizadas com as duas doses.

O Governo de Mario Draghi estabeleceu como prioridade a aceleração da campanha de vacinação e prepara um decreto que hoje apresentou aos governadores das regiões.

PUB

O documento prevê a abertura de centenas de centros em parques de estacionamento de supermercados ou outros locais considerados adequados, que estarão abertos 12 horas por dia com o objetivo traçado pelo Executivo de atingir o ritmo de meio milhão de doses diárias.

Por sua vez, na sexta-feira deverão ser anunciadas as regiões que vão permanecer confinadas. Atualmente cerca de metade, com 40 milhões de habitantes, estão no nível vermelho de alerta.

Entre as regiões "vermelhas" inclui-se a Lombardia (norte), a motor económico do país e epicentro da crise desde o início, e ainda Lazio, com a capital em Roma.

Desde 15 de março que as restrições em Itália estabelecem que todas as regiões que superem uma incidência semanal de 250 contágios por 100.000 habitantes serão incluídas na "zona vermelha", um confinamento que impõe o encerramento de todo o comércio não essencial e com as pessoas remetidas a suas casas, salvo em casos de necessidade ou para praticar desporto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG