O Jogo ao Vivo

Homicídio

Mais três polícias acusados pelo Ministério Público dos EUA da morte de George Floyd

Mais três polícias acusados pelo Ministério Público dos EUA da morte de George Floyd

O Ministério Público norte-americano agravou esta quarta-feira para homicídio em segundo grau o agente da polícia que provocou a morte a George Floyd e, pela primeira vez, acusou formalmente os três outros agentes que o acompanhavam, noticiou a imprensa local.

O jornal norte-americano Star Tribune lembrou que o agente Derek Chauvin, despedido a 26 de maio, um dia depois do incidente, foi inicialmente acusado de homicídio em terceiro grau e homicídio involuntário em segundo grau, enquanto os três restantes policiais tinham sido demitidos também no mesmo dia, mas sem pendência de acusações.

O Star Tribune, que cita múltiplas fontes, referiu que o Procurador-Geral do Minesota, Keith Ellison, agravou a acusação contra Chauvin e também acusou os agentes Thomas Lane, J. Kueng e Tou Thao por apoio e incentivo ao homicídio.

A família de George Floyd e os milhares de manifestantes que continuam a protestar contra a morte do afro-americano têm repetidamente exigido acusações contra os quatro agentes policiais.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu a 25 de maio, em Mineápolis, depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem.

Pelo menos 9 mil pessoas foram detidas e o recolher obrigatório foi imposto em várias cidades, incluindo Washington e Nova Iorque.

Os quatro polícias envolvidos no incidente foram despedidos, e o agente Derek Chauvin, que colocou o joelho no pescoço de Floyd, foi detido, acusado de assassínio em terceiro grau e de homicídio involuntário.

A morte de Floyd ocorreu durante a sua detenção por suspeita de ter usado uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) numa loja.