O Jogo ao Vivo

Moçambique

Mau tempo e dificuldades técnicas atrasam chegada de deslocados de Palma

Mau tempo e dificuldades técnicas atrasam chegada de deslocados de Palma

Um barco com mais de mil deslocados da vila de Palma, norte de Moçambique, vai chegar a Pemba mais tarde que o previsto devido ao mau tempo e dificuldades técnicas, disse à Lusa fonte que acompanha a operação.

A chegada estava prevista para esta quarta-feira de manhã com cerca de mil pessoas a bordo, segundo anunciou a petrolífera Total na terça-feira, mas o número de pessoas acolhidas em Afungi foi maior, disse a mesma fonte, sem quantificar.

Entretanto, a viagem em alto mar está a ser dificultada por mau tempo no percurso de 200 a 300 quilómetros até Pemba, capital provincial, a par de dificuldades técnicas.

A chegada está agora prevista para a próxima noite, acrescentou.

O navio transporta cerca de mil deslocados, a maioria população mais carenciada que fugiu do ataque de quarta-feira, dia 24, à vila de Palma e que tem passado por dificuldades por falta de alimentos, água e abrigo junto ao recinto do projeto de gás, local onde procuraram segurança.

Segundo fonte da petrolífera Total, a prioridade para transporte é dada às pessoas mais vulneráveis.

Desde domingo que diversas embarcações, privadas e outras organizadas pela Total e autoridades, têm transportado pessoas para Palma, num número que já deverá ser superior a dois mil, mas sem confirmação oficial.

PUB

Os deslocados em Afungi serão só uma parte dos milhares em fuga e que avançaram em diferentes direções atravessando o mato desde quarta-feira, alguns chegando à fronteira com a Tanzânia, 50 quilómetros a norte.

Fonte ligada a operações de resgate e segurança disse à Lusa que ainda há população refugiada em praias do distrito de Palma a aguardar transporte e que ainda não há sinais claros de controlo da vila pelas forças militares, apesar de haver operações em curso.

Ao mesmo tempo, o movimento aéreo de avionetas no aeroporto de Pemba cresceu, com algumas empresas a recorrerem a meios aéreos para transportar funcionários que ainda se encontram no recinto em construção em Afungi.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

O movimento terrorista Estado Islâmico reivindicou na segunda-feira o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora haja relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG