O Jogo ao Vivo

EUA

"Mayor" de Nova Iorque junta-se ao coro de críticas à homenagem a Bolsonaro

"Mayor" de Nova Iorque junta-se ao coro de críticas à homenagem a Bolsonaro

Uma gala programada para 14 de maio no Museu de História Natural de Nova Iorque, que tem como objetivo homenagear o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, desencadeou críticas de organizações culturais, organizações não-governamentais e até do "mayor" da cidade.

O evento, organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, pretende nomear Jair Bolsonaro como uma das "pessoas do ano", destacando o trabalho no fortalecimento das relações entre os dois países.

Os críticos têm apontado a ironia de a figura de Bolsonaro ser celebrada no Museu de História Natural de Nova Iorque, sob a enorme figura de uma baleia azul que decora um espaço dedicado à vida marinha, quando uma das primeiras medidas que tomou, quando assumiu o cargo de Presidente, foi pôr em risco a proteção da Amazónia.

Poucas horas depois de assumir o cargo, em 1 de janeiro, o Presidente brasileiro decidiu transferir a demarcação de terras indígenas no Brasil a ser feita pelo Ministério da Agricultura e retirou esta responsabilidade à Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

O Brasil conta atualmente com cerca de 460 reservas indígenas que ocupam uma área equivalente a 12,2 % do território nacional, na sua maioria na Amazónia, destinadas aos cerca de 900 mil índios do país.

Uma das primeiras pessoas a criticar o evento marcado para o dia 14 de maio foi o "mayor" de Nova Iorque, Bill de Blasio, que disse, na sexta-feira, durante um programa na emissora de rádio WNYC, que Bolsonaro é "um ser humano muito perigoso" e apelou ao Museu de História Natural que cancele a gala.

"(Bolsonaro) é perigoso não apenas por causa do seu óbvio racismo e homofobia, mas porque, infelizmente, é a pessoa com maior poder para decidir o que acontece na Amazónia no futuro", disse De Blasio.

De acordo com o portal especializado artnet News, o Museu de História Natural de Nova Iorque quis distanciar-se do evento e destacou que se limita a alugar o espaço e que este já estava reservado antes de se saber quem seria homenageado.

"Estamos profundamente preocupados e o evento não reflete de forma alguma a posição do Museu de que há uma necessidade urgente de conservar a floresta amazónica, que tem profundas consequências para a biodiversidade das comunidades indígenas, a mudança climática e a saúde do nosso planeta" apontou a instituição em comunicado.

Organizações da sociedade civil como "Decolonizing This Place" sublinharam nas redes sociais que "não só vão protestar", mas vão forçar o encerramento do museu no caso da gala ser realizada.

A organização de defesa dos direitos humanos WITNESS, sediada em Nova Iorque, disse ao jornal local Gothamist que "o facto de o Museu de História Natural de Nova Iorque ter aceitado um evento sobre algo que é tão contrário aos seus valores próprios deve embaraçá-los".

O evento é realizado anualmente desde 1970 com o objetivo de realçar o trabalho de duas pessoas (uma brasileira e outra norte-americana) "na construção de relacionamentos" entre os EUA e o Brasil.

No ano passado, a gala prestou homenagem ao ex-mayor de Nova Iorque Michael Bloomberg e ao Juiz brasileiro Sérgio Fernando Moro.

Outros Artigos Recomendados