Brasil

Médicos de São Paulo burlam sistema de vacinação e tomam três doses de vacina

Médicos de São Paulo burlam sistema de vacinação e tomam três doses de vacina

Médicos de São Paulo, no Brasil, tomaram três doses da vacina contra a covid-19, burlando o sistema ao tomar a primeira dose da vacina da Pfizer depois de terem recebido as duas doses da vacina Coronavac.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, foram identificados dois médicos que se dirigiram a um drive-thru da cidade que estava com o sistema informático inoperacional, tomando uma terceira dose da vacina contra a covid-19.

A fraude foi posteriormente detetada depois das anotações manuais, que foram feitas no momento da vacinação, terem sido inseridas no sistema informático, o que revelou que os dois médicos já tinham recebido as duas doses da vacina Coronavac.

A Prefeitura acrescentou que os dois casos foram encaminhados para o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) para apuração ética.

Também outro caso semelhante foi detetado na cidade de Guarulhos, em São Paulo, onde uma médica veterinária também burlou o sistema de vacinação, tomando três doses da vacina contra a covid-19.

A veterinária, Jussara Sonner, recebeu as duas doses da vacina Coronavac, em fevereiro e março deste ano, tendo tomado por vontade própria a vacina de dose única da Janssen, no final do mês de junho.

A médica publicou ainda uma fotografia na rede social Instagram com o cartão comprovativo da toma da vacina Janssen, tendo anteriormente publicado uma fotografia com o comprovativo em que recebeu as duas doses da vacina Coronavac.

PUB

"Sei que nenhuma vacina é totalmente segura porque não houve tempo para a realização de testes. Mas como no início do ano tomei a vacina e estava bastante incomodada com isso. Esperei o tempo necessário - 3 meses - e hoje consegui tomar a Janssen. Sinto-me mais protegida e com dose única estou livre para viajar para onde quiser", escreveu Jussara Sonner na rede social.

A Prefeitura de Guarulhos declarou que "tomou conhecimento das publicações da médica veterinária e imediatamente determinou que o caso fosse enviado ao Ministério Público Estadual para que seja investigado".

A Prefeitura referiu ainda que "não mede esforços para promover uma vacinação eficiente, criando critérios objetivos para a contemplação da sua população", acrescentando que "não se pode fechar os olhos para os abusos e fraudes que pretendem burlar o sistema, ainda para mais baseadas em motivações desprovidas de conhecimento científico que possam prejudicar grupos prioritários para a vacinação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG