Mundo

Menina australiana encontrada dentro de barril foi morta a tiro

Menina australiana encontrada dentro de barril foi morta a tiro

A Polícia de New South Wales (NSW) confirmou que Charlise Mutten, a menina de nove anos cujo corpo foi encontrado dentro de um barril nas margens do rio Colo, depois de ter sido dada como desaparecida numa propriedade privada nas Montanhas Azuis, perto de Sydney, foi, afinal, baleada antes de morrer.

Os responsáveis pela investigação acreditam que a menina foi morta na propriedade onde passava férias com a mãe Kallista Mutten e o padrasto Justin Stein, considerado, entretanto, autor do homicídio.

As imagens de videovigilância divulgadas pela polícia mostram Justin Stein a conduzir um Holden Colorado vermelho em direção ao centro de Sydney e na área envolvente de Colo. Segundo as autoridades, momentos antes de seguir para o rio Colo, Justin, terá tentado usar, sem sucesso, um barco em Sydney.

O homem de 31 anos já foi presente a tribunal na última quarta-feira e não recorreu da acusação. A próxima audiência será agendada apenas para março.

"[A polícia está] apelar a qualquer um que possa ter visto esse Holden Colorado vermelho a rebocar um barco, qualquer atividade suspeita ou incomum ao redor do carro e do barco em qualquer um desses locais ou outros locais", disse o comandante do Esquadrão de Homicídios, Danny Doherty.

"Charlise não está aqui para se defender. Temos que agir em seu nome e queremos garantir que a justiça é feita", disse.

Segundo os dados inicialmente revelados pela polícia, a menina teria sido vista uma última vez no dia 13 de janeiro e desaparecido na manhã seguinte. A tese da polícia é que foi morta entre o final do dia de terça-feira, dia 11 de janeiro, e as primeiras horas do dia seguinte.

PUB

A mãe da menina, Kallista Mutten, hospitalizada após o desaparecimento de Charlise, foi novamente ouvida pela polícia na qualidade de testemunha, uma vez que não existem evidências de que estivesse na propriedade na altura do homicídio da filha.

À polícia cabe agora descobrir o que terá motivado Stein a matar Charlise e o a razão de ter ficado sozinho com a criança na noite de 11 de janeiro, alegada data do homcídio e altura em que a mãe da menina, estaria, segundo o seus depoimentos, numa caravana longe da propriedade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG