Austrália

Menino de seis anos já pode morrer em casa

Menino de seis anos já pode morrer em casa

Os pais de uma criança de seis anos conseguiram, no final de uma guerra judicial, permissão do tribunal para interromper os tratamentos de quimioterapia que o filho estava a fazer.

A Justiça deu o direito aos pais do pequeno Oshin Kiszko, diagnosticado com um tumor cerebral em dezembro do ano passado, a interromper os tratamentos de radioterapia e de quimioterapia a que a criança de seis anos estava a ser sujeita.

O tribunal decidiu que seria do supremo interesse da criança receber cuidados paliativos, em vez de se continuar a realizar sessões forçadas de quimioterapia.

O menino tinha sido obrigado, em março, por um tribunal a receber quimioterapia, mas os pais recorreram da decisão.

A mãe do pequeno Oshin, Angela Kiszko, e o pai, Colin Strachan, defendem que os tratamentos traumatizaram o filho e que apenas o fariam viver cinco anos de sofrimento, sem qualquer perspetiva de recuperação.

Esta quinta-feira, o Tribunal de Família australiano, colocou um ponto final na guerra judicial, ao decidir a favor dos pais.

"Se ele não pode viver muito tempo, gostaria de o ter em casa connosco, como uma família", explicou a mãe. "Sem estar assustado, mas a sentir-se amado, cuidado, com a sua família e amigos ao redor", acrescentou Angela Kiszko.

PUB

Já o juiz explicou que a decisão pode não servir de jurisprudência para outros casos. "Este caso é apenas sobre o Oshin Kiszko e sobre como determinar quais são os melhores interesses para ele", esclareceu o juiz Rick O'Brien. "A criança deve agora receber tratamentos paliativos apropriados", acrescentou.

O presidente da Associação Médica da Austrália explicou que nos casos em que a família não quer que os filhos recebam tratamentos os médicos são obrigados a ir a tribunal. "Todos lamentamos a angústia e o sofrimento que estas situações implicam e os nossos pensamentos estão com a criança e a sua família neste momento difícil", afirmou Andrew Miller, em declarações ao jornal "The Australian".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG