Mundo

Merchandising revolucionário à venda em Maidan

Merchandising revolucionário à venda em Maidan

Não foi seguramente por terem vivido tantos anos debaixo de uma economia planificada, em que o Estado ditava as regras que nada tinham a ver com o mercado, que os ucranianos não aprenderam - e rápido - os preceitos do capitalismo mais feroz e oportunista.

Um dia após a queda do regime em Kiev, a praça da Independência bem que poderia também chamar-se praça do Comércio. Os peditórios são mais do que muitos e quase todos falsos. Há parasitas de Deus que transformaram "tupperwares"tamanho XXL em caixas de esmolas. Há Organizações Não-Governamentais de credibilidade duvidosa a pedir para tudo e mais alguma coisa. E há Otar Goraya, um homem com olho para o negócio. Otar explica: "Montei esta pequena banca porque estamos a viver uma festa e as pessoas querem ficar com uma recordação boa de tudo isto". O comerciante de ocasião vende souvenirs para todas as bolsas, credos colecionistas ou preferências clubísticas.

Um ímane de frigorífico com a imagem de um miliciano da oposição a atacar de fisga numa barricada em chamas custa 1,5 euros. "Como é barato, toda a gente quer. Alguns até já acabaram e não sei se à tarde consigo trazer mais para Maidan", constata o negociante. Uma caneca decorada com o mesmo miliciano em posição de ataque e outra de um atirador de "cocktail molotov" custa 4 euros, mas as recordações de louça não se vendem bem: "já cá estou há duas horas e ninguém comprou". O ex-pugilista e líder da oposição, Vitali Klitschko também tem direito a caneca branca ao mesmo preço dos defensores da praça. Com pouca saída.

Mais caro (12 euros) é o cachecol do Dínamo de Kiev, cuja acesso ao estádio está encerrado por se encontrar dentro das barricadas da contestação. Um valor incomparavelmente menor que o objeto de desejo da banca. Uma moca de madeira crivada de ameaçadores espetos custa 25 euros. "As pessoas olham muito e gostavam de comprar, mas dizem que é caro", lamenta. "Depois tiram fotos e vão embora", constata desolado Otar Goraya.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG