COP26

Merkel defende fixação de um preço para emissões de dióxido de carbono

Merkel defende fixação de um preço para emissões de dióxido de carbono

A chanceler alemã defendeu, esta segunda-feira, que fixar um preço para as emissões de dióxido de carbono é a melhor forma de garantir que as indústrias e atividades económicas se empenham em atingir a neutralidade carbónica.

Angela Merkel falava na Cimeira de Líderes Mundiais no âmbito da 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26).

"Apelo a que se coloque um preço nas emissões de dióxido de carbono, como já fazemos na União Europeia, como a China pretende fazer e como precisamos de aplicar noutros países do mundo. Se o fizermos, podemos garantir que as nossas indústrias, as nossas atividades económicas desenvolvem as melhores tecnologias e métodos para atingirem a neutralidade carbónica", declarou a chefe do Governo alemão.

Angela Merkel salientou que acabar com o uso de combustíveis fósseis como o carvão para produção de energia não depende apenas da ação dos governos. É preciso, advogou, "mudar a maneira de fazer negócios" e caminhar para uma "transformação abrangente" que encoraje a passagem para "mobilidade e processos industriais sem emissões carbónicas".

A chanceler considerou que se está numa "década decisiva" para esta taxação das emissões, defendendo "mais ambição no desenvolvimento de instrumentos globais que façam sentido economicamente e não sirvam apenas para gastar o dinheiro dos contribuintes".

Angela Merkel assumiu que os países signatários do Acordo de Paris de 2015, que visa limitar o aquecimento global até final do século, não estão "onde precisam de estar nem onde precisam de chegar". "As contribuições determinadas nacionalmente não nos colocam onde concordámos estar em Paris e a comunidade internacional espera de nós que estejamos em melhores condições" no fim da cimeira que decorre até 12 de novembro, frisou.

"Estamos obrigados e podemos aplicar o Acordo de Paris", considerou, defendendo que as metas de neutralidade carbono têm que ser definidas para meados do século, não para o fim.

PUB

Os países mais desenvolvidos, referiu, têm "uma responsabilidade especial" em fazer com que isso aconteça, frisou, indicando que entre as metas definidas pelo seu país estão uma redução de 65% até 2030 nas emissões de gases com efeito de estufa em relação aos níveis de 1990 e a neutralidade carbónica em 2045.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG