Nuclear

Merkel diz que retirada dos EUA do acordo com Irão compromete ordem mundial

Merkel diz que retirada dos EUA do acordo com Irão compromete ordem mundial

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irão enfraquece a confiança na ordem mundial, durante um discurso proferido na cidade alemã de Munster.

Merkel reconheceu que o acordo "é tudo menos ideal" e que existem outros motivos de preocupação com o Irão, mas lembrou que envolveu 12 anos de trabalho.

"Acho que não é correto cancelar unilateralmente um acordo que foi aprovado multilateralmente no Conselho de Segurança da ONU. Isso diminui a confiança na ordem internacional", defendeu a chanceler alemã.

Referindo-se igualmente ao abandono dos norte-americanos do acordo de Paris sobre alterações climáticas, acrescentou: "Se fizermos sempre isso, se não gostamos das coisas e não conseguirmos atingir uma nova ordem mundial, toda a gente vai fazer aquilo que quiser e isso são más notícias para o mundo".

Também o presidente russo, Vladimir Putin, se mostrou favorável à manutenção do acordo, esta sexta-feira, durante numa conversa telefónica com a chanceler alemã.

Os dirigentes "sublinharam a importância de manter o plano de ação conjunto [do acordo iraniano] para a segurança internacional e regional", indicou o Kremlin num comunicado, uma semana antes da visita de Merkel à Rússia.

Também esta sexta-feira, o ministro francês das Finanças, Bruno le Maire, disse que os países europeus deviam pressionar a administração Trump em vez de agirem como "vassalos" dos Estados Unidos e que a Europa não deveria aceitar os Estados Unidos como "polícia económico do mundo".

Le Maire quer que as empresas europeias possam continuar a manter trocas comerciais com o Irão apesar do presidente Donald Trump ter decidido repor as sanções.

O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a saída dos Estados Unidos do acordo concluído em 2015 entre o Irão e o Grupo 5+1, constituído pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, China, França e Reino Unido - e a Alemanha.

Trump disse que o acordo nuclear não era suficientemente duro com o Irão, mas os países europeus dizem que a decisão do presidente norte-americano vai aumentar o risco de conflito na região.

O acordo nuclear permitiu o levantamento gradual das sanções económicas e financeiras internacionais ao Irão em troca do compromisso de Teerão de limitar o seu programa nuclear a fins civis.