Mundo

Merkel pode perder maioria parlamentar

Merkel pode perder maioria parlamentar

A chanceler Angela Merkel aparece com dificuldades em manter a coligação governamental entre conservadores e liberais, nas eleições que vão decorrer domingo, indica uma sondagem publicada esta quinta-feira.

Encomendada pela cadeia de televisão pública ZDF, a União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão) está creditada com 40% das intenções de voto, um resultado estável em relação à semana anterior, mas o seu parceiro, o partido liberal (FDP, na sigla em Alemão), baixa meio ponto percentual, para os 5,5%.

Se somar 45,5%, ainda falta à coligação pelo menos um ponto e meio para constituir uma maioria parlamentar, mas esta distância ainda está incluída na margem de erro.

A pouco mais de 48 horas da abertura das assembleias de voto para as legislativas, "o resultado está aberto como raramente alguma vez esteve", escreve o grupo Wahlen, autor do estudo.

Os social-democratas do SPD aparecem com 27% das intenções de voto, mas veem os Verdes, com quem poderiam constituir uma alternativa a Merkel, cair dois pontos, para os 9%.

Ao contrário, a esquerda radical Die Linke, com a qual nenhum dos outros partidos se deseja coligar, está creditada com 8,5%, uma subida de meio ponto percentual.

Este estudo confirma no essencial uma outra sondagem divulgada durante a manhã pelo diário Bild e realizada pelo instituto Insa, onde a CDU e o FDP somam 44%, o SPD recolhe 28% e os Verdes 8%.

A principal diferença entre as duas sondagens é a dimensão das intenções de voto do partido antieuropeu Afd, que aparece com 5% no inquérito da Insa, o que lhe permitiria entrar no parlamento, enquanto na divulgada agora surge com apenas 4%.

A votação neste partido é uma das principais questões por apurar na noite de domingo, com os institutos de estudos de opinião a destacarem a dificuldade de medirem o apoio eleitoral de um partido recém-criado.