Moçambique

Milhares de crianças com medo e fome no pesadelo de Cabo Delgado

Milhares de crianças com medo e fome no pesadelo de Cabo Delgado

As necessidades das crianças deslocadas em Cabo Delgado, norte de Moçambique, "superam em muito os recursos disponíveis para apoiá-las" e muitas vezes são elas o alvo de violência, alerta a organização humanitária "Save the Children".

"A ajuda é desesperadamente necessária, mas poucos doadores priorizaram a assistência para aqueles que perderam tudo e para os seus filhos", numa altura em que o mundo lida também com a pandemia, refere Chance Briggs, diretor da organização em Moçambique, citado em comunicado divulgado esta terça-feira. "Enquanto o mundo estava focado na covid-19, a crise de Cabo Delgado cresceu e foi menosprezada", acrescentou.

A "Save the Children" referiu que "quase um milhão de pessoas enfrenta fome severa" como resultado direto da onda de deslocados provocada pelo conflito armado na região, incluindo pessoas deslocadas e comunidades anfitriãs. Como reflexo da pirâmide etária do país, cerca de metade das pessoas afetadas pela violência são menores de 18 anos, presenciando muitas vezes morte e destruição e sendo elas próprias alvo das partes em conflito.

"Todas as partes devem garantir que as crianças nunca sejam alvos. Devem respeitar as leis humanitárias internacionais e de direitos humanos e tomar todas as ações necessárias para minimizar os danos civis, incluindo o fim de ataques indiscriminados e desproporcionais contra crianças", acrescentou a Briggs. "Os relatos de ataques a crianças incomodam-nos profundamente. A nossa equipa foi levada às lágrimas ao ouvir as histórias de sofrimento contadas por mães em campos de deslocados", sublinhou.

A violência armada em Cabo Delgado está a provocar uma crise humanitária, com mais de duas mil mortes e 670 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos. Algumas das incursões de rebeldes foram reivindicadas por milícias do grupo radical islâmico Al-Shabaab, mas a origem dos ataques continua sob debate. A situação de insegurança levou a petrolífera Total a diminuir o número de trabalhadores e a abrandar os trabalhos no megaprojeto de gás na região, até que seja garantido um perímetro de segurança pelas Forças de Defesa e Segurança moçambicanas. No entanto, mantém-se a previsão de início de exportação de gás natural liquefeito em 2024.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG