Caso Maddie

Milhares de imagens de abusos a menores encontradas em casa de Christian Brueckner

Milhares de imagens de abusos a menores encontradas em casa de Christian Brueckner

Suspeito do desaparecimento e morte de Madeleine McCann tinha também em sua posse vários fatos de banho de menina. A polícia alemã continua em cima do caso.

O mais recente suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann tinha na sua habitação cerca de oito mil fotografias de pornografia infantil, incluindo imagens de abusos cometidos contra menores. As imagens, avança o tabloide inglês "The Mirror", estavam em seis pens USB (dispositivos de memória informática).

A revelação foi feita pela polícia alemã, que está a investigar Christian Brueckner, sobre quem pendem alegações de que terá raptado a menina inglesa na Praia da Luz, no Algarve, em 3 de maio de 2007.

Os itens foram encontrados por um dos agentes no interior do autocarro Tiffin Allegro em que Christian Brueckner vivia na Alemanha. Foram também confiscados para prova diversos fatos de banho de menina que se encontravam no mesmo local.

O advogado do Brueckner revelou já ter confrontado o seu cliente com as novas descobertas, mas que este continua a negar qualquer envolvimento no alegado rapto de Maddie, que tinha quatro anos de idade na altura do desaparecimento.

A existência do autocarro, onde o suspeito aparentemente residia, foi revelada num documentário exibido na televisão alemã no dia passado dia 15.

Aquela viatura nunca terá sido vista quando Christian Brueckner esteve em Portugal, altura em que possuía uma autocaravana e conduzia um automóvel vistoso da marca Jaguar.

Brueckner é entretanto suspeito de um crime de contornos macabros: a morte de Tristan Bruback, um adolescente a quem cortaram os testículos em março de 1998. O corpo do rapaz de 13 anos foi encontrado numa passagem subterrânea perto de uma estação de caminhos de ferros de Frankfurt.

Os relatórios da altura, noticiou o jornal "Frankfurter Neuer Presse", referem que Tristan Bruback foi agredido até perder a consciência e depois violado e estrangulado com requintes de tortura medieval.

Recorde-se que os investigadores alemães já disseram ter provas de que Madeleine McCann está morta, atestou um porta-voz da Procuradoria de Brunswick, na Alemanha.

"São provas ou factos concretos que temos, não são meras indicações", precisou o porta-voz à agência noticiosa AFP. A fonte acrescentou que não se tratava de "provas forenses", como o local onde esteja o corpo da menina que nunca foi encontrada.

Outras Notícias