Executivo

Ministra das Finanças finlandesa demite-se após uso indevido de fundos públicos

Ministra das Finanças finlandesa demite-se após uso indevido de fundos públicos

A ministra das Finanças da Finlândia, Katri Kulmuni, demitiu-se esta sexta-feira devido a um alegado uso indevido de fundos públicos, que terão sido utilizados para pagar serviços de formação privados que foram adjudicados sem concurso público.

Após ter integrado o executivo finlandês, Katri Kulmuni, presidente dos liberais do Partido de Centro, recebeu formação especializada em 'media training' (nomeadamente preparação de discursos ou de aparições públicas ou de entrevistas).

Esta formação, que começou em setembro do ano passado, foi fornecida por uma agência de comunicação, propriedade de um consultor de prestígio no mercado finlandês, que cobrou perto de 50 mil euros.

Segundo a lei finlandesa, todas as aquisições públicas de bens ou de serviços que ultrapassem os 60 mil euros devem ser submetidas a um concurso público, tendo o executivo finlandês orientações específicas que reduzem o valor limite para os 20 mil euros.

"Tenho de assumir a minha responsabilidade política, apesar de não conhecer todos os detalhes das aquisições e de não as ter adjudicado pessoalmente. Não sabia qual era o valor total até esta semana. Mas como política, é meu dever aceitar a minha responsabilidade", declarou Kulmuni, numa conferência de imprensa.

Após a divulgação da notícia que deu conta deste alegado uso indevido de fundos públicos, na passada terça-feira, Katri Kulmuni, de 32 anos, disponibilizou-se a pagar pessoalmente o montante de quase 50 mil euros.

Também na mesma altura, a centrista argumentou que, depois de ter sido nomeada ministra, precisava de ajuda profissional para melhorar a sua maneira de comunicar em público.

No entanto, a pressão por parte dos 'media' e de vários setores políticos finlandeses acabou por desencadear a demissão da titular da pasta das Finanças, que acontece num momento em que os 27 Estados-membros da União Europeia (UE) devem negociar a proposta da Comissão Europeia para estabelecer um Fundo de Recuperação económica na sequência da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Na quinta-feira, o Governo finlandês anunciou que recusa apoiar o plano apresentado pela Comissão Europeia.

Para 19 de junho está agendada uma cimeira de líderes da UE por videoconferência.

Outras Notícias