EUA

Mistério do Assassino do Zodíaco foi desvendado ou é mais um embuste?

Mistério do Assassino do Zodíaco foi desvendado ou é mais um embuste?

Um engenheiro e decifrador amador francês diz ter conseguido decifrar as últimas mensagem encriptadas do "assassino do Zodíaco", incluindo uma que supostamente revela a sua identidade. Porém, há especialistas que duvidam das descobertas, acreditando ser apenas mais um embuste.

Fayçal Ziraoui, de 38 anos, um consultor de negócios franco-marroquino, disse, de acordo com o "The New York Times", que passou duas semanas a tentar resolver os enigmas, que acredita agora ter decifrado.

A identidade e os crimes do Assassino do Zodíaco são um dos mais notórios mistérios na História dos EUA - incluindo as duas mensagens encriptadas conhecidas como Z32 e Z13. A primeira mensagem foi resolvida logo quando a polícia a recebeu em 1969, mas foram necessários anos - e até décadas - para decifrar alguns dos enigmas posteriores. A última mensagem decifrada foi revelada em dezembro do ano passado: "Espero que se estejam a divertir muito a tentar apanhar-me".

PUB

Ziraoui usou o código utilizado para decifrar a mensagem nos enigmas restantes e rapidamente ficou obstinado em cumprir a tarefa. "Estava obcecado, 24 horas por dia, era a única coisa em que conseguia pensar", afirmou.

Após duas semanas, o francês decifrou a frase: "LABOR DAY [feriado nacional norte-americano celebrado na primeira segunda-feira de setembro] FIND 45.069 NORT 58.719 WEST." As coordenadas apontam para um local próximo a uma escola em South Lake Tahoe, uma cidade da Califórnia mencionada noutro postal que se acredita ter sido enviado pelo assassino do Zodíaco em 1971.

Animado com a descoberta, o francês aplicou o mesmo código e as mesmas técnicas ao Z13, o que, segundo ele, revela o suposto nome do misterioso assassino.

Depois de cerca de uma hora, Ziraoui chegou à palavra "KAYR" e lembrou-se do apelido de Lawrence Kaye, um vendedor e criminoso que vivia em South Lake Tahoe e que foi considerado suspeito no caso. Kaye, que também usava o pseudónimo "Kane", morreu em 2010.

O erro era semelhante aos encontrados em mensagens anteriores, explicou Ziraoui, sendo provavelmente erros cometidos pelo assassino ao codificar a mensagem. Para o francês, o resultado era tão próximo do nome de Kaye e da localização de South Lake Tahoe que não podia ser uma coincidência.

Segundo especialistas ouvidos pelo "Insider", Ziraoui parece ter manipulado os resultados para se adaptarem às respostas que procurava.

"Está a mudar uma palavra para corresponder a um suspeito", disse Mike Morford, um escritor de crime. "Acabou de ver uma palavra de quatro letras com um 'K', mudou para o que pensava que era. De tudo o que sei sobre criptogramas... não se coloca lá coisas. Deixa-se sair, deixa a mensagem aparecer por conta própria".

O segundo problema, de acordo com os especialistas, passa pelo facto de que, mesmo que as respostas de Ziraoui estejam corretas, não há forma de provar.

"Quanto mais curto um criptograma, menos oportunidades existem para encontrar padrões repetidos", disse Michael Butterfield, que trabalhou como consultor em filmes, documentários e artigos relacionados com o Assassino do Zodíaco.

"É preciso um tremendo ego para pensar que se conquistou algo que outras pessoas, centenas e centenas de pessoas, têm tentado conquistar há décadas", continuou. "E um ego especialmente grande para fazer essa afirmação com base em virtualmente nada ou em evidências realmente escassas que estão fortemente sujeitas a interpretação."

Por sua vez, David Naccache, criptógrafo e professor da École Normale Supérieure em Paris, e Emmanuel Thomé, especialista em criptografia do Instituto Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia Digital da França, disseram que os métodos de Ziraoui são sólidos e devem ser considerados pela polícia.

O "Assassino do Zodíaco" está associado a cinco homicídios na Baía de São Francisco, entre 1968 e 1969. Outras duas vítimas escaparam e suspeita-se que muitos outros crimes terão sido cometidos pela pessoa que reclama a autoria de 37 mortes.

O criminoso começou a contactar o jornal "San Francisco Chronicle" em 1969 e telefonava à polícia, identificando-se apenas como "Zodíaco". Frequentemente ameaçava com mais crimes caso os jornais não publicassem as suas mensagens encriptadas. Houve quatro mensagens codificadas no total, uma das quais revelava que a sua identidade seria revelada.

Em 2007, um filme de David Fincher protagonizado por Mark Ruffalo e Robert Dowey Junior tornou o caso célebre em todo o Mundo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG