Balanço

Moçambique confirma mais de 200 mortos com ciclone Idai

Moçambique confirma mais de 200 mortos com ciclone Idai

A passagem do ciclone Idai no centro de Moçambique e as cheias que se seguiram já provocaram, desde quinta-feira, mais de 200 mortos, anunciou, na cidade da Beira, o presidente moçambicano Filipe Nyusi.

O chefe de Estado falava durante uma reunião do Conselho de Ministros realizado na cidade da Beira, parcialmente destruída pelo ciclone. "Porque a situação está grave, o Governo vai decretar a emergência nacional na República de Moçambique", referiu.

"Pela informação que nos foi fornecida aqui, neste contexto de mortes confirmadas (...) estamos nos 200 e tal", acrescentou o chefe de Estado, que na segunda-feira disse recear que o balanço final ultrapasse o milhar de mortos.

Filipe Nyusi anunciou ainda três dias de luto nacional em Moçambique. "Sabendo de 350 mil cidadãos que estão em situação de risco e da severa destruição devido a esta tragédia, então o Conselho de Ministros decide decretar o luto nacional na República de Moçambique, por um período de três dias, com inicio às próximas 00.00 horas [menos duas horas em Portugal continental] do dia 20 de março", disse o chefe de Estado.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué já provocou pelo mais de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos desde segunda-feira. Mais de 1,5 milhões de pessoas foram afetadas pela tempestade naqueles três países africanos.

A Organização Meteorológica Mundial admite que o ciclone Idai, que atingiu Moçambique, Maláui e Zimbabué, poderá ser "um dos piores desastres climáticos no hemisfério sul".

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários alertou que as próximas 72 horas serão "críticas" para Moçambique, devido aos efeitos do ciclone Idai, com previsão de cheias nas bacias dos rios Buzi e Pungoe.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG