Conflito

Moscovo pede a Kiev decisões que permitam acabar com a guerra

Moscovo pede a Kiev decisões que permitam acabar com a guerra

A Rússia apelou esta quinta-feira às autoridades ucranianas para que pensem no destino do país e do seu povo e tomem as decisões que permitam acabar com a "operação militar especial" iniciada por Moscovo há três semanas.

"Instamos o regime [do Presidente Volodymyr] Zelensky a pensar sobre o destino do país, do seu povo, a tirar as conclusões correspondentes e a tomar as decisões pertinentes", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, no seu encontro semanal com a imprensa, em Moscovo.

PUB

Zakharova disse que a Rússia continuará com a sua ofensiva militar na Ucrânia até atingir os seus objetivos.

Moscovo exige que Kiev renuncie à península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014, e aos territórios separatistas do Donbass (leste), bem como garantias de que a Ucrânia manterá o estatuto de país não-nuclear e não será membro da NATO.

As duas partes estão envolvidas em conversações sobre um acordo de paz, que decorrem por videoconferência desde segunda-feira, depois de terem realizado três encontros presenciais na Bielorrússia.

"Atualmente, [as negociações] prosseguem em formato de videoconferência e há discussões sobre questões militares, políticas e humanitárias", disse Zakharova, citada pela agência espanhola EFE.

Zakharova também acusou Kiev de "cometer atrocidades" contra a população pró-russa no Donbass e criticou o Ocidente por não reagir.

De acordo com Moscovo, cerca de 20 pessoas foram mortas em Donetsk na segunda-feira, num alegado ataque ucraniano.

No Ocidente "ignoraram deliberadamente e mantiveram-se em silêncio sobre a recente atrocidade dos seus alunos ucranianos. Como se nada tivesse acontecido, como se nada se tivesse passado. Como se não tivesse havido um massacre de civis", disse Zakharova.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG