Mundo

Motins em Londres espalham-se pela terceira noite consecutiva

Motins em Londres espalham-se pela terceira noite consecutiva

Os distúrbios em Londres continuam esta segunda-feira pelo terceiro dia consecutivo e estenderam-se também a Birmingham, a segunda cidade mais populosa. Continuam os relatos de edifícios incendiados e lojas pilhadas. O primeiro-ministro David Cameron antecipou o regresso de férias face à gravidade da situação.

Na origem estão grupos de jovens, muitos de caras tapadas e vestidos de negro, que se foram juntando durante a tarde e que apesar da forte presença policial conseguiram sempre manter-se um passo à frente graças às trocas de informação por telemóvel e pelo Twitter.

Em Hackney, alguns elementos usaram objectos pesados para partir montras e saquear lojas, nomeadamente de roupa.

Armando Ribeiro, um fotógrafo freelance que se encontra na área, citado pela agência Lusa, afirmou que "há muita agitação, arremesso de pedras e fogo de artifício". "Grande parte das lojas estão fechadas" e há "carros incendiados" e "muita gente na rua".

Em Lewisham, pelo menos um veículo foi incendiado e uma loja de artigos electrónicos foi saqueada.

A cerca de cinco kilómetros, em Peckham, um autocarro terá sido incendiado por um grupo de jovens que ali se concentrou.

Apesar do reforço policial na capital britânica, a estratégia tem sido sobretudo de contenção, embora já se tenham registados alguns confrontos com polícia de intervenção.

Este é o terceiro dia de distúrbios em Londres, tendo até agora, segundo a polícia, sido detidas 215 pessoas por desordem ou roubo.

Negócios fechados

Alguns negócios portugueses em Londres estiveram fechados esta segunda-feira devido ao cordão policial criado na sequência dos distúrbios da véspera em Brixton, no sul da capital britânica, mas a comunidade afirmou-se tranquila e sem sinais de ter sido afectada.

Dois estabelecimentos, a Continental Deli e o Talho, em Atlantic Road, estavam encerrados devido às investigações da polícia nas ruas em redor.

De acordo com a ministra do Interior britânica, Theresa May, que foi obrigada a encurtar as suas férias, foram detidas já 215 pessoas na sequência dos confrontos que ocorrem desde sábado.

Em conferência de imprensa, Theresa May culpou "delinquentes" pela onda de violência que se tem vindo a arrastar por vários bairros periféricos, e que esta segunda-feira à tarde chegou ao bairro de Hackney, no leste da capital londrina.

O vice-presidente da Câmara, Kit Malthouse, classificou de "absolutamente oportunistas" os autores dos distúrbios, considerando tratar-se de "criminalidade pura e simples".

Também o comandante da Polícia, Adrian Hanstock, afirmou que a motivação destes grupos é diferente da da multidão que atacou a polícia e incendiou automóveis e edifícios em Tottenham. "São indivíduos que, na verdade, estão a atacar comunidades, negócios, propriedades e casas", acusou.

Outras Notícias