Terrorismo

Movimento anti-islâmico alemão cancela manifestação após ameaças

Movimento anti-islâmico alemão cancela manifestação após ameaças

O movimento alemão anti-islâmico Pegida anunciou, este domingo, o cancelamento da manifestação prevista para segunda-feira em Dresden por "motivos de segurança", depois de um dos organizadores do protesto ter sido ameaçado de morte pelo Estado Islâmico.

"Vemo-nos forçados a tomar esta medida, depois de conversações com a polícia", escreveu um dos responsáveis pelo Pegida na rede social Facebook, denunciando ainda "um grave atentado à liberdade de opinião e de manifestação" por parte "de forças terroristas".

Desde finais de outubro que o movimento Pegida, sigla em alemão de "Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente", se manifesta às segundas-feiras em Dresden.

Segundo indicaram os responsáveis do movimento, a "ameaça abstrata" que o Ministério do Interior reconheceu que pesa sobre a Alemanha tornou-se "numa ameaça de morte concreta" contra um dos líderes do Pegida.

"A sua execução foi ordenada pelos terroristas do Estado Islâmico", indicou o mesmo representante, acrescentando que o protesto foi cancelado para evitar "danos colaterais" nos participantes da ação.

A manifestação de segunda-feira seria a 13.ª ação de protesto do Pegida em Dresden. Na passada segunda-feira, após os atentados jiadistas em Paris, o protesto conseguiu reunir nas ruas cerca de 25 mil pessoas, um novo recorde destas marchas contra a islamização da Alemanha e da Europa.

No anúncio do cancelamento, o movimento pediu ainda "a todos os europeus que defendem a liberdade de expressão e que são contra os fanatismos religiosos" que coloquem nas janelas as bandeiras nacionais e velas.

No sábado, a justiça francesa proibiu a realização, este domingo em Paris, de uma manifestação que apelava à expulsão de todos os islâmicos de França.

A manifestação tinha sido convocada pelos movimentos Resistência Republicana e Resposta Laica, sob o mote "Desequilibrados, assassinos, loucos... islamitas fora de França".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG