Angola

MPLA convoca "marcha patriótica" em Luanda

MPLA convoca "marcha patriótica" em Luanda

Um responsável do MPLA, partido no poder em Angola, anunciou uma "marcha patriótica", a realizar no sábado, em resposta a uma convocatória, que circula na Internet, de uma manifestação, dia 7, contra o Governo angolano.

O anúncio feito, esta terça-feira, na capital angolana, pelo secretário provincial de Luanda do MPLA, Bento Bento, segue-se a uma convocatória, que circula na Internet, de uma manifestação para o dia 7 de Março contra o Governo angolano.

Bento Bento disse que um grupo de angolanos apoiados por países estrangeiros, incluindo Portugal, colocaram em marcha um plano contra a República de Angola e contra José Eduardo dos Santos. A "marcha patriótica" convocada pelo MPLA pretende juntar dois milhões de pessoas em apoio ao presidente.

"Na sequência do que esta a acontecer nos países árabes, Egipto, Tunísia e agora a Líbia, um grupo de angolanos que se dizem 'mãos limpas', os melhores, os mais patriotas, com apoio de alguns grupos de pressão de alguns países, nomeadamente Portugal, França, Itália, Bélgica e alguns sectores ligados à Grã-Bretanha e Alemanha, puseram em marcha um plano contra a República de Angola contra o MPLA e principalmente contra o Presidente José Eduardo dos Santos", declarou Bento Bento.

O dirigente do MPLA acusa os organizadores da manifestação marcada para o dia 7 de Março de estarem a protagonizar essa "confusão".

"Como sabem que pela via democrática não chegam lá, que pelas eleições não chegam lá, e sabendo que em 2012 já se prevêem as eleições em Angola, o que é que eles querem? Confusão", acusou Bento Bento.

Bento Bento disse ainda que muitos dos angolanos mobilizados no exterior do país "para realizar esses desacatos", "não são angolanos de bem e muitos deles nem angolanos são".

O responsável político do MPLA acusou alguns "responsáveis da oposição" de já se terem deslocado à Europa para "poder apoiar esse plano macabro".

"Internamente não tenhamos dúvidas que há sectores da UNITA, que estão com a paz, sectores ligados ao PRS que estão com a paz, mas os comunicados feitos pelos responsáveis das bancadas parlamentares da UNITA e do PRS fez-lhes cair a máscara. Eles apoiam hipoteticamente este plano contra Angola, o MPLA e o seu líder (José Eduardo dos Santos)", acentuou.