Cabo Verde

Muita consternação no velório de três dos oito militares

Muita consternação no velório de três dos oito militares

Muita consternação marcou esta quarta-feira o velório de três dos oito militares mortos num posto em Cabo Verde, numa cerimónia realizada no quartel Jaime Mota, centro histórico da capital cabo-verdiana, com a presença do presidente da República e do primeiro-ministro.

Depois de serem autopsiados no Hospital Agostinho Neto, também no centro histórico da cidade da Praia, os corpos dos três militares chegaram ao quartel militar Jaime Mota em três carros separados por volta das 17 horas locais (19 horas em Portugal continental).

Os caixões estavam cobertos por bandeiras de Cabo Verde e estavam à espera, há mais de hora, familiares, amigos, militares e muitos populares curiosos.

Alguns minutos depois chegou o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, acompanhado pelos ministros da Administração Interna, Paulo Rocha, da Justiça, Janine Lélis, e dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire.

Seguiu-se o presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, que manifestou o seu "profundo sentimento de consternação e dor" pela morte dos jovens militares, "que serviam e serviram abnegadamente Cabo Verde" e dirigiu uma mensagem de conforto aos familiares.

"O Estado de Cabo Verde e as autoridades institucionais do país saberão ser gratos face ao serviço que estes jovens prestaram à Nação e ao Estado", disse Jorge Carlos Fonseca, que é, por inerência, Comandante Supremo das Forças Armadas de Cabo Verde.

Depois do chefe de Estado e das outras autoridades cumprimentarem os familiares, os corpos dos três militares seguiram para os respetivos concelhos, onde serão realizadas as cerimónias fúnebres, com honras militares.

Os militares foram mortos segunda-feira no Centro Retransmissor de Monte Txota, no conselho de São Domingos, interior da ilha de Santiago, por outro soldado, que já foi capturado pela polícia, e que matou mais três civis, designadamente um cabo-verdiano e dois espanhóis.

Quinta-feira decorrem as cerimónias fúnebres de três militares na cidade da Praia, enquanto os corpos das vítimas de São Vicente e de Santo Antão seguem para as respetivas ilhas, onde também terão honras militares.

O Governo cabo-verdiano decretou dois dias de luto nacional, com início às 00:00 de quinta-feira.

O suspeito de matar as 11 pessoas foi hoje detido e foi identificado como sendo Manuel António Silva Ribeiro, de 22 anos, militar há cerca de um ano.