Descoberta

Paciente de Barcelona controla HIV sem medicação há 15 anos e pode ser resposta para a cura

Paciente de Barcelona controla HIV sem medicação há 15 anos e pode ser resposta para a cura

Os investigadores do Hospital Clinic Barcelona vão apresentar, na 24.ª Conferência Mundial da SIDA, em Montreal, Canadá, o mecanismo celular que permite a uma mulher infetada com HIV viver sem vestígios do vírus causador da SIDA, após interromper o tratamento antirretroviral há 15 anos.

Uma "paciente de Barcelona", cuja identidade não foi revelada, controla autónomamente o HIV, apesar de ter deixado de tomar antirretrovirais há 15 anos. Apesar de ainda o ter o vírus organismo, este está agora em volume indetectável. Os médicos falam num caso "único" e "excecional", que pode ser um grande passo para se descobrir a cura desta doença que afeta milhões de pessoas.

"Esta mulher está sem medicação há mais de 15 anos. Após um curto período de tempo controlou totalmente o vírus da SIDA e o mais importante: conseguimos descobrir o possível mecanismo que o permite", anunciou o médico Josep Mallolas, chefe da Unidade HIV-SIDA do hospital, durante uma conferência de imprensa na capital catalã, citado pelo "El País".

PUB

O estudo foi realizado por uma equipa liderada por médicos do Hospital Clinic Barcelona e será apresentado esta semana na 24.ª Conferência Internacional sobre SIDA.

Esta paciente foi diagnosticada em 2006 e incluída num ensaio clínico conduzido por José Miró para ver se o sistema imunitário poderia ser impulsionado para controlar a replicação do vírus. Após a primeira interrupção do tratamento, os resultados estavam à vista. "Nove meses após a interrupção do tratamento, esta paciente já não tinha uma carga viral detetável do HIV no plasma", explicou Núria Climent, investigadora do grupo de infeção por SIDA e HIV do Instituto de Investigações Biomédicas August Pu i Sunyer (IDIBAPS). "Esta mulher foi a única entre os 20 pacientes do ensaio clinício que reagiu desta forma."

"O vírus não recuperou e não recuperou durante 15 anos e mais de 50 testes de carga viral depois", acrescentou José Miró.

Uma vez descoberta a resposta imunológica desta doente, o passo seguinte foi infetar células. "Se pudéssemos, através do tratamento, reproduzir ou replicar a capacidade imunitária inata desta mulher, os benefícios seriam enormes", disse Josep Mallolas ao "El país".

A equipa médica também descobriu, ao longo do tempo, que houve uma queda "muito acentuada e progressiva" no número de vírus no reservatório. "É como se estivéssemos a testemunhar pela primeira vez a vitória incontestável do sistema imunitário sobre o vírus. Cada vez mais células infetadas estão a ser eliminadas. Provavelmente chegará uma altura em que o reservatórioeliminará todas", acrescentou o médico Josep Mallolas.

O passo seguinte da investigação é identificar qual a combinação dos fatores próprios da paciente, juntamente com os administrados pela equipa de Miró no ensaio clínico, levou a este controlo do vírus nela, mas não nos outros participantes.

O objetivo final será replicar as condições representadas por esta mulher noutros pacientes que, a priori, não as têm. "O que é muito importante é estudar esta mulher em profundidade e, uma vez conhecidas as suas células e a sua imunidade a 100%, seremos capazes de conceber projetos de investigação para outras pessoas, para que mesmo que não possamos curá-las, possamos assegurar que elas possam permanecer sem tratamento, com uma carga viral indetetável e sem a possibilidade de serem infetadas durante muitos anos. Isto abre um leque fascinante de possibilidades de investigação", disse ainda Mallolas.

A infeção pelo vírus HIV afeta quase 38 milhões de pessoas e mata 650 mil doentes por ano.

Após quatro décadas de avanços científicos milhões de pessoas infetadas submeteram-se à terapia antirretroviral (ARV), um conjunto de medicamentos que impede a replicação do vírus ao ponto de tornar a carga viral indetetável e, portanto, intransmissível. Este é o único tratamento disponível para a grande maioria dos portadores deste vírus destruidor do sistema imunitário. Atualmente, mais de 28 milhões de pessoas seropositivas têm uma vida normal e de qualidade graças a este medicamento.

Embora o tratamento de antirretrovirais seja eficaz na supressão da carga viral, ainda não há cura para esta doença. Algo que pode mudar com os resultados deste ensaio cliníco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG