Espanha

Mulher fingiu ser pediatra e raptou bebé durante três horas

Mulher fingiu ser pediatra e raptou bebé durante três horas

Uma mulher de 47 anos foi detida no passado sábado por ter sequestrado um recém-nascido durante cerca de três horas, depois de se fazer passar por pediatra no Hospital Universitário de Guadalajara, em Espanha. A suspeita teria perdido um bebé há algum tempo.

Qualquer semelhança com o caso da mulher que tentou raptar uma recém-nascida, no Hospital de S. João, no Porto, no mesmo dia, é pura coincidência.

Na manhã de sábado, por volta das 10.20 horas locais (9.20 horas em Portugal continental), a mulher foi ao quarto dos pais e apresentou-se como sendo pediatria, afirmando que teria que levar o bebé, que tinha apenas dias, para fazer exames médicos. Perguntou-lhes se haviam feito os testes de calcanhar e de esforço e saiu do quarto com o recém-nascido.

PUB

Segundo o jornal espanhol "La Vanguardia", o pai do bebé "estranhou" a situação e deu de imediato o alarme para que encontrassem o filho. Correu o hospital inteiro à procura da mulher, com a ajuda das autoridades. Três horas depois, a suspeita foi localizada.

A imagem da autora do sequestro foi divulgada para ajudar nas buscas. "Estávamos em contrarrelógio e o tempo estava a esgotar-se, mas o resultado foi imediato", disse o comissário-chefe da polícia local, José Arroyo, aos jornalistas.

Apanhada na farmácia

No momento em que a mulher chegou a uma farmácia para pedir leite para o bebé e afirmou que não sabia o que é que ele estava a tomar, levantaram-se as suspeitas. O farmacêutico contou que a mulher pediu um leite "que não existe e ficou muito nervosa" e depois de ver as imagens divulgadas, confirmou que era a autora do sequestro.

Um vizinho próximo da mulher contou às autoridades que ela tinha perdido um bebé há pouco tempo e disse onde é que ela morava. Segundo o comissário Arroyo, a suspeita abriu a porta "muito nervosa e a chorar" e "negou tudo". "Nós permanecemos calmos para ver se havia um bebé na casa e verificámos que havia um recém-nascido com um número de série do cordão umbilical que correspondia ao que a mãe tinha no hospital ", revelou o chefe da polícia local.

Pouco depois, a suspeita reconheceu que tinha sequestrado a criança. "A mulher teve um bebé que morreu e pode estar a passar por uma situação de desordem mental", disse o comissário, acrescentando que o recém-nascido havia sido transferido para o hospital para realizar os testes necessários.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG