Irlanda

Mulher morre por recusa de aborto na Irlanda

Mulher morre por recusa de aborto na Irlanda

Uma mulher, de 31 anos, morreu na sequência de um aborto espontâneo por, alegadamente, os médicos do hospital irlandês onde foi atendida se terem recusado a interromper-lhe a gravidez apesar de Savita Halappanavar correr risco de vida.

A Irlanda tem uma das leis mais restritivas da União Europeia no que diz respeito ao aborto, o que já lhe valeu duras críticas por parte dos tribunais comunitários. De acordo com o marido de Savita, a mulher - que estava grávida de 17 semanas - pediu várias vezes aos médicos do hospital de Galway que lhe fizessem um aborto porque sofria de fortes dores.

Os clínicos recusaram alegando que o feto estava vivo e recordando ao casal que a Irlanda "é um país católico".

PUB

A mulher, de nacionalidade indiana e dentista de profissão, acabou por sofrer um aborto espontâneo e morreu de septicemia (infeção generalizada do sangue) no dia 28 de outubro.

As autoridades irlandesas já abriram um inquérito para averiguar o que se passou. O relatório será conhecido dentro de três meses.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG